Banner Gaudencio Torquato

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Segunda-feira, 30 de outubro de 2017
Os perigos de outsiders

  O ser humano só atinge sua essência dentro da comunidade política, hoje entendida como o Estado. E sua missão, como cidadão e animal cívico, é o de poder interferir na vida do Estado para alcançar o bem comum, não sendo suficiente, portanto, bastar-se a si mesmo. Essa é a inclinação natural que conduz os homens a conviver em sociedade. Sob essa arquitetura aristotélica, qualquer cidadão pode ser chamado para servir à polis (O Estado), donde se infere que a política não é um compartimento reservado a uns poucos. Ou, em outros termos, a política não se esconde em quatro paredes. Não tem margens.

Dito isto, analisemos os fenômenos políticos de nosso cotidiano, a partir das questões que beiram às margens do absurdo: Luciano Huck, o jovem empresário e animador do Caldeirão do Huck, programa semanal de uma rede de TV, poderia ser candidato e se eleger presidente da República? Nessa mesma vertente, poderiam concorrer figuras como Silvio Santos, Edir Macedo, Roberto Carlos, Pelé, Faustão e, por que não (?), Gisele Bundchen? Os nomes citados compõem uma galeria das mais influentes e conhecidas personalidades brasileiras. São os outsiders (perfis fora da política). Huck, aliás, já manifestou apoio a uma campanha de renovação da política, para a qual investirá esforços e recursos, também escrevendo artigos para jornais.

A eleição de um outsider não é coisa muito fora de propósito no contexto da política pós-sociedade industrial, onde se amontoam as mazelas que corroem as democracias, como a desideologização, o declínio dos partidos, o declínio dos parlamentos, o declínio das oposições, a personalização do poder, a ascensão das tecno-estruturas e o aparecimento de novos circuitos de representação, como associações, sindicatos, federações, núcleos, grupos, movimentos de toda a ordem. O deslocamento da política tradicional para outros espaços é uma realidade aqui e alhures. Aqui, esse fenômeno ganha impulso sob o clima de degradação da política, foco da mais aguda crise vivida pelo país na contemporaneidade. Os índices de pesquisas exibem protagonistas de todos os quilates e cores mergulhados em imenso lamaçal.

CACARECO - Portanto, o momento e as circunstâncias induzem a comportamentos inusuais da base política, do tipo eleição de um Cacareco. Lembremos: em 1959, com a morte de Getúlio Vargas, sob o governo de Adhemar de Barros, em São Paulo, o eleitorado estava indignado contra os vereadores da Câmara Municipal. Na campanha, apareceu o rinoceronte Cacareco, na verdade uma fêmea, vinda do Rio emprestada para abrilhantar a inauguração do Zoológico de São Paulo. O empréstimo era por seis meses. Passado o tempo, os paulistanos fizeram um movimento para que o animal, de 230 quilos, aqui ficasse. Decidiu-se pela candidatura de Cacareco a vereador, com o slogan: “vale quanto pesa”. Um matreiro candidato saiu à rua carregando uma onça, apostando no slogan: “eleitor inteligente vota no amigo da onça”.

Na época o voto era num pedaço de papel que o eleitor colocava em envelope recebido do mesário. Gráficas imprimiram milhares de cédulas com o nome do bicho. Cacareco recebeu 100 mil votos, quando o candidato mais votado naquele ano não ultrapassou 110 mil votos. O partido que elegeu a maior bancada obteve 95 mil. Infelizmente, Cacareco não pode comemorar. Foi devolvido ao zoológico do Rio, vindo a morrer poucos anos depois, antes de completar 10 anos. (O coração não resistiu a tanta emoção). A revista Time acabou dando ênfase à frase de um eleitor: “é melhor eleger um rinoceronte do que um asno”.

Não é que, em 2018, há muito eleitor querendo votar em Cacarecos? Outra opção é a busca de perfis que encarnem a lei, a ordem, a disciplina, a postura militar. Bolsonaro entra nesse figurino. Outra banda, saturada dos velhos costumes políticos, volta-se na direção de perfis que encarnem assepsia, limpeza, inovação, gestão. João Doria ganhou a Prefeitura de São Paulo com essa vestimenta. Por falta de lideranças novas, o eleitorado tende a buscar candidaturas nas bandas dos comunicadores de massa ou do futebol, pessoas que possuem grande visibilidade em atividades de entretenimento. Aqui entram Huck, Silvio Santos (que já acenou com uma candidatura presidencial no passado) e outros. Teriam chance?

OS RISCOS - Em tese, sim. A revolta do eleitorado se faz ver na frase que é comum em todos os rincões: “todo político é ladrão”. Infelizmente, o país corre esse risco. Que o levaria a uma crise de proporções inimagináveis, porquanto um Luciano Huck ou outra celebridade do mundo do espetáculo não teria condição de “pôr o guizo no gato”, ou seja, de administrar a complexidade do nosso sistema político: 35 partidos, sistema bicameral com duas casas congressuais, presidencialismo de coalizão etc. Teria de se submeter ao DNA de uma cultura política, cujas raízes estão fincadas nas roças do fisiologismo, do nepotismo, do grupismo, do coronelismo. Nem Marina Silva, com sua roupagem ética, ou mesmo Ciro Gomes, usando sua metralhadora expressiva, resistiriam ao poder de mando dos nossos representantes, 513 na Câmara e 81 no Senado.

Portanto, não devemos pensar que nomes fora da política terão condições de administrar um país com uma crise política crônica como a nossa. O que os perfis com oxigênio da inovação podem fazer é colaborar para a renovação das frentes políticas nas três instâncias federativas. O país estaria na beira do abismo ante a hipótese de eleger um perfil radical, seja de direita ou de esquerda, e ainda se decidisse por um quadro do mundo do espetáculo. Imaginar que Silvio Santos poderia reabrir a porta da esperança seria não um sonho, mas um pesadelo. Infelizmente, a moldura política começa a exibir sinais da carcomida polarização que cindiu nos últimos 15 anos a sociedade brasileira entre “nós e eles”, “bons e maus”, apartheid originado na era PT. Será que veremos novamente Lula em palanques prometendo mundos e fundos?

Os próximos tempos serão reveladores. Se a economia sair do fundo do poço, como dá sinais de ocorrer, podemos esperar a escolha de um figurante do centro, capaz de puxar alas da direita e da esquerda. Esta é a aposta deste consultor. 

0
0
0
s2smodern

logo new