jrh log
ANO XIV - 1º jornal 100% online de Roraima desde 2014

Banner gaudencio

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Quarta-feira, 20 de abril de 2016

Porandubas nº 488

 

O nome de deus em vão

Nunca se ouviu falar tanto de Deus como na votação do impeachment, dia 17, domingo. Dedico esse voto, primeiro, a Deus, que me deu a vida ; depois, à minha mãe, à minha mulher, aos meus filhos etc. Portanto, Deus continua sendo a porta do Paraíso para nossos políticos. Vejamos Deus na vida de alguns protagonistas... O ditador Francisco Franco usava a Providência Divina para se afirmar : "Deus colocou em nossas mãos a vida de nossa Pátria para que a governemos". Não satisfeito, mandou cunhar nas moedas : "Caudilho da Espanha pela graça de Deus". Idi Amin Dada, o cabo que se tornou marechal de Uganda, ditador sanguinário, dizia ao povo que falava com Deus nos sonhos. Um dia, um jornalista faz a inquietante pergunta : "o senhor tem com frequência esses sonhos ? Conversa muito com Deus ?" Lacônico, o cara de pau respondeu : "Só quando necessário".

Vitimização

Está clara a estratégia da presidente Dilma e de seu entorno : tornar-se vítima. A liturgia da vitimização pode ser assim descrita : escolha de um refrão para abrir o discurso - conspiradores tramam um golpe ; aparecimento em entrevistas coletivas exibindo a estética das vítimas - olhos vermelhos, feições contraídas ; expressão pausada e ritmada, entremeada de pausas, que procuram enfatizar os refrãos ; postura humilde na audição e respostas às perguntas. Foi o que se viu em Dilma em suas entrevistas coletivas.

Golpe

A ideia de que estaria sendo tramado um golpe invade espaços midiáticos, multiplicados pela teia lulopetista. O vice-presidente da República, Michel Temer, e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, seriam os conspiradores. A estratégia, nesse caso, é tentar colar a imagem de Cunha à imagem de Michel. Como sofre uma bateria de denúncias, o presidente da Câmara, como tentam o PT e o governo, contaminaria a imagem do presidente da República. Ou seja, o mal de um geraria sombra sobre o outro. Essa é a intenção dos comunicadores petistas.

Golpe e contragolpe

Ora, o que Dilma esquece é que o povo não é bobo. Não compra gato por lebre. Ela acha que é simples dizer que fulano é o demônio em pessoa e que esta identidade demoníaca pode ser simplesmente transferida a um grupo pelo simples fato deste grupo ser contrário ao governo. Por isso, Dilma começa a sofrer o contragolpe : os 367 deputados que votaram são conspiradores ? Os cinco milhões de pessoas que saíram às ruas desde 2013 são conspiradores ? O STF, que definiu o rito do impeachment, é golpista ? Os oito ministros do STF entre os 11 que formam o Colegiado são traidores golpistas ? Dilma, lacrimosa, pode até gerar comoção em algumas pessoas. Mas ela é uma pessoa dura, autoritária, nervosa, arrogante. O véu começa a cair.

O rito no Senado

O Senado abriu o rito do impeachment, que deverá ser acolhido pela maioria dos senadores. Hoje, cerca de 45 já definiram suas posições. A Comissão de 21 senadores fará um relatório inicial a ser votado pelo plenário. Aceito o impeachment, a presidente deverá ser afastada. A Câmara Alta terá 180 dias para apurar, julgar e decidir sobre seu afastamento. Vejamos as hipóteses.

180 dias ?

Se o vice-presidente vier a assumir a presidência na segunda semana de maio, conforme calendário estabelecido, deverá fazê-lo com uma equipe já escolhida. Ou seja, se houver acolhimento por metade mais um dos senadores, a presidente será afastada por 180 dias. A depender da maneira como o presidente provisório der respostas às expectativas sociais, o processo de impeachment poderá ser logo decidido ou se estender até o prazo previsto pelo rito. Se as respostas forem satisfatórias, o Senado será instado a apressar o fluxo do impeachment. A recíproca é verdadeira. O fato é que o país não aguentará todo o prazo - 180 dias - de um governo provisório.

Um eventual governo Temer

Se chegar a ocupar a cadeira presidencial, o vice Michel Temer terá pela frente o maior desafio de sua vida : governar o país numa quadra das mais difíceis de sua história, marcada por uma economia em recessão, uma fila de 10 milhões de desempregados, 10% de inflação, perspectiva de queda entre 3,5% a 4% do PIB este ano. Para fechar os buracos do rombo na economia, o eventual presidente deverá escolher um nome de alto gabarito para coordenar a área mais crítica do governo. Como assoviar e chupar cana ao mesmo tempo ? Como fazer o ajuste e, ao mesmo tempo, arrumar o bolso dos consumidores, de forma que possam conservar certo poder de compra ?

Desafios

Os desafios serão monumentais. A estrutura ministerial deverá ser enxugada, sob o critério da racionalidade. Enxugamento, fusão e junção de cinco a sete Pastas. Nomeação de grandes perfis para comandar os Ministérios mais importantes : economia, saúde, educação, Justiça, infraestrutura. Como atender às demandas partidárias, sabendo que os partidos querem se fazer representar na Esplanada dos Ministérios ? Como manter uma sólida base de apoios no Congresso, condição que faz absolutamente necessária para preparar o país e avançar nas reformas fundamentais ? Reformas : Política, Previdência, Fiscal-Tributária, Trabalhista e do Pacto Federativo.

Nomes e ensaios

Qual será o prazo que a sociedade dará a um novo presidente nessa quadra de economia em descalabro ? Menos do que os 100 dias tradicionais que se costuma dar aos novos governantes. Por conseguinte, 60 dias (dois meses) fechariam a agenda das expectativas. Mais que isso, o clima social estaria muito tenso. Se, em menos tempo, as expectativas começarem a ser atendidas, melhor para o ânimo governamental. Nesse ínterim, a sociedade tomaria conhecimento da disposição de um novo governo e passaria a responder com o reconhecimento e a simpatia.

O Estado adequado

Nem Estado gordo, nem Estado magro. Um Estado adequado. Essa é a concepção que passa pela cabeça do vice-presidente Michel Temer. Um Estado capaz de dar respostas aos anseios sociais, em condições de atender às demandas prioritárias nas áreas da saúde, educação, emprego, segurança. Não se trata de dizer que o país verá um amplo programa de privatização. Não se pode fazer terrorismo com esse conceito. A privatização deve ocorrer em áreas que fogem às competências constitucionais do Estado brasileiro. Os investidores querem ganhar confiança para voltar a reinvestir. Credibilidade, eis a palavra mágica que precisa ser resgatada.

Senadores sob pressão das ruas

A imensa maioria da população brasileira quer ver a presidente Dilma afastada do comando da Nação. Parece dizer : o ciclo do PT chegou ao fim. Queremos inaugurar uma nova era. O Senado deverá agir sob esse clamor das ruas. Ademais, a vitória do impeachment na Câmara foi muito expressiva. Acima das expectativas. Ou seja, essa avalanche de votos favoráveis funcionará como alavanca de impulso no Senado. A Câmara representa o povo brasileiro, enquanto o Senado representa os interesses dos Estados. A vontade do povo entra na Casa que representa a identidade dos 27 entes estaduais.

E se Dilma ficar ?

Dilma terá condições de voltar a governar, caso o Senado arquive o processo do impeachment ? Difícil imaginar a situação. Economia descalibrada, massas nas ruas, falta de apoio no Congresso, Lula girando como um autômato na Esplanada dos Ministérios... enfim, a paisagem de Dilma voltando a comandar o Estado é aterradora.

Pobre português

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-Rio) reclamou muito do "baixo nível" do Congresso no dia seguinte ao da votação do impeachment, principalmente pelos erros grosseiros nos discursos dos parlamentares - alusão direta aos deputados que votaram "sim". É provável que a deputada não tenha ouvido direito, mas as principais agressões ao vernáculo e à inteligência vieram justamente dos seus pares da situação - ou da turma do "não".

O sonho de Lula

É claro que Luiz Inácio acalenta o sonho de voltar a ser candidato em 2018. Como se sabe, a melodia que sai do aparelho fonador de Lula não tem a suavidade de um bolero ou mesmo de samba-canção. A melodia é frenética. Lula gosta mesmo é de ser oposição. Por isso, quanto antes Dilma se afastar, melhor para seu desígnio de se candidatar. Precisa voltar com as caravanas pelo Brasil afora. Ora, essa condição exige que seja oposicionista contra "esse governo golpista" que está aí. As massas aplaudirão seu discurso ? Possivelmente, as massas instrumentalizadas, que recebem cachê para comparecer aos comícios. Lula já não é o mesmo de 10, 15 anos atrás. P.S. Ademais, Luiz Inácio terá de dar algumas respostas à República de Curitiba.

Evento em Foz

Este consultor irá ao evento do LIDE - Grupo de Líderes Empresariais - a se realizar em Foz de Iguaçu, de 21 a 24 de abril. Sob coordenação do dinâmico jornalista, empresário e presidente do LIDE, João Dória. O tema principal será : Cenários e soluções para a crise econômica. A mesa debatedora central será formada pelo CEO Global da BRF, Pedro Faria ; o presidente da Riachuelo, Flávio Rocha ; a presidente da Microsoft Brasil, Paula Bellizia ; e o presidente da CPFL, Wilson Ferreira.

Infidelidade

A infidelidade partidária no Brasil vem lá de trás, dos idos tempos do general Golbery do Couto e Silva, que a importou do México. Como é sabido, a lei de governabilidade naquele país garantiu 71 anos de governo ininterrupto ao Partido Revolucionário Institucional (PRI). Existiu até a vitória de Vicente Fox, do Partido de Ação Nacional (PAN). Considerada coisa da ditadura, a fidelidade foi abolida, apesar da reação de Tancredo Neves, logo depois de eleito, em 1985, no sentido de que a lei eleitoral deveria ganhar mudanças, mas não a ponto de se ter "a porta arrombada". Foi o que ocorreu. De lá para cá, criaram-se dezenas de siglas e a política passou a ser um espaço de beltranos e sicranos.

Fulanização

Pegando carona no atual sistema eleitoral proporcional, que data de 1950, o fenômeno da fulanização tomou corpo, contribuindo, por meio das listas abertas, para o voto "salada mista", pelo qual o eleitor tem liberdade de escolher candidatos, em um visível enfraquecimento das estruturas partidárias. Isso porque os partidos, com raras exceções, além de não possuírem controle sobre os perfis e as chances de seus candidatos, passam a presenciar, estáticos, uma feroz disputa entre eles próprios. Para coroar o ritual de personalização política, muitos eleitos acabam trocando a sigla, contribuindo, assim, para a pasteurização partidária.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down