peronico

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Quarta-feira, 5 de dezembro de 2018
Mais um escândalo no Governo de Suely: PF desarticula esquema que desviou milhões da merenda escolar

Instante em que o secretário adjunto, Shiská Pires, chega ao CPC da Polícia Militar.

É um escândalo atrás do outro: depois da ‘Operação Escuridão’ que prendeu o filho da governadora Suely Campos, Guilherme Campos, ontem a Polícia Federal (PF) deflagrou nova ação, denominada ‘Operação Tântalo’, para desarticular organização criminosa envolvida em desvios de recursos públicos de merenda escolar, no âmbito do Programa Mais Educação entre os anos de 2016 e 2018.

Ao todo foram cumpridos 5 mandados de prisão preventiva e 7 mandados de busca e apreensão em Boa Vista e todos os envolvidos tiveram o sigilo bancário e fiscal quebrados pela Justiça Federal.

Os presos nessa ação da PF são o ex-secretário adjunto de educação Shiská Palamitshchece Pereira Pires, Thiago Lima Martinez (diretor de departamento), Carlos Ribeiro da Silva (motorista) e Maria Gabriela Campelo da Silva (chefe de área) todos ligados ao departamento de merenda escolar da Secretaria de Educação. O quinto envolvido, que é o empresário Walter Mograbi Pinto Junior, dono da empresa Mograbi e Oliveira LTDA ME que fornecia a merenda, está foragido.

O Inquérito Policial foi instaurado em setembro deste ano, e com poucos meses de investigação já foi possível apurar várias irregularidades e desvios que ocorriam no fornecimento de alimentos para merendas das escolas no estado de Roraima.

O esquema criminoso já estaria em andamento no início de 2016 e contava com o falso atesto de recebimento de produtos adquiridos pelo Estado. Somente de março a novembro de 2018 o Estado de Roraima recebeu mais de 5 milhões e 700 mil reais do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

Diligências policiais realizadas em várias escolas indicam que há meses não é fornecida proteína alguma para os alunos. Em alguns casos, os policiais constataram que os funcionários das escolas realizavam compras, com recursos próprios, para tentar melhorar a alimentação das crianças, como ossos para incrementar o feijão, o qual foi encontrado vencido em várias escolas.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down