Quarta, 20 Maio 2020 14:38

Porandubas nº 666

Escrito por Gaudêncio Torquato

O empresário e consultor Paulo Marinho jogou a bomba de que a PF antecipou para Flávio Bolsonaro a operação que faria para investigar eventuais ilícitos cometidos por Fabrício Queiroz.

Nesses dias de pandemia, abro a coluna com uma historinha hilária de Sergipe.

Morra tranquila, mamãe

Nas dobras do passado, Fernando Leite, filho do senador Júlio Leite, presidia a Assembleia Legislativa de Sergipe, quando Seixas Dória era governador. Seixas teve de viajar ao Rio de Janeiro, enquanto o vice-governador Celso Carvalho estava no Rio Grande do Norte, onde foi ao enterro da sogra. Fernando Leite, presidente da AL, assumiu o governo por dois dias. Passou telegrama para Deus e o mundo, para as embaixadas, federações, partidos políticos, comunicando a sua governança. Como bom filho, orgulhoso, telegrafou à mãe, internada e gravemente enferma, em um hospital do Rio:

- Mamãe, pode morrer tranquila. Seu filho é governador. Beijos, Fernando.

O estado da Nação

O termômetro social marca alta temperatura. A angústia se acumula. O medo se espraia. O uso de máscara se expande, mesmo sob a descrença e o desleixo de muitos, que costumam deixá-la sob o queixo. Os dias passados em casa puxam uma certa dormência coletiva, a trazer desânimo. O desemprego sobe. O empobrecimento é geral com perdas sentidas principalmente nas camadas da base da pirâmide. O número de mortes cresce exponencialmente. O Brasil já chega no ranking dos mais afetados pela pandemia. SP, 324 mortos em 24 horas. O estado geral da Nação é de gigantesca dúvida sobre o amanhã.

Isolamento social

O isolamento social se estreita. Mesmo sob as estatísticas mais altas, a índole nacional carrega um DNA regado pela fonte da rebeldia e pelo vento da fuga à ordem estabelecida. "Fulano, não saia porque ali adiante você vai enfrentar um tiroteio". O fulano, curioso, acaba pensando: "vou ver para crer". E escapa. Sai sorrateiramente. Ademais, a imensa desigualdade propicia mais rupturas. Afinal, os pobres e carentes têm que se virar. Como pedir para não sair de casa a alguém que não tem suprimentos, em um barraco onde habita a carência de tudo? Uma coisa é isolamento na Alemanha, no Reino Unido ou em países desenvolvidos, outra coisa é pedir para ficar em casa no Brasil.

A revelação de Marinho

O empresário e consultor Paulo Marinho jogou a bomba: a PF antecipou para Flávio Bolsonaro a operação que faria para investigar eventuais ilícitos que teriam sido cometidos pelo seu então assessor, Fabrício Queiroz. A operação foi adiada para após a eleição em 2º turno, decisão tomada para não prejudicar a campanha do candidato Jair Bolsonaro em outubro de 2018. Por que Marinho só abriu o bico agora? Por que não fez essa revelação antes? Não teria prevaricado?

Questões no ar

São perguntas que se fazem. Respostas óbvias: o empresário rompeu com a família Bolsonaro, mesmo sendo suplente do senador Flávio. Filiou-se ao PSDB de João Doria. É candidato a prefeito do Rio de Janeiro. Portanto, é evidente que a informação tem caráter político e estará no palanque eleitoral do pleito municipal. Nem por isso deve deixar de ser investigada, incluindo ilícito eventualmente praticado por Marinho por ter escondido o fato até hoje.

Centrão toma assento

O Centrão, onde estão os partidos fisiológicos (há algum que não seja?), começa a tomar assento nas cadeiras do governo. Não se acomodam nas cadeiras da primeira fila, urge reconhecer, mas em cadeiras de fileiras mais ao fundo. Mas esses cargos de segundo e terceiro escalões, nas mãos de um hábil artesão da política, costumam se transformar em balcão de oportunidades. Por isso, é do interesse de siglas que rezam pela cartilha franciscana do "é dando que se recebe". Até no espaço da Educação, mesmo sob o escudo do raivoso e contestado Abraham Weintraub, os centristas estão chegando.

Covas e o feriadão

Teste polêmico. O prefeito tucano Bruno Covas, de São Paulo, vai antecipar os feriados de Corpus Christi e do dia da Consciência Negra para hoje, quarta, e concedendo sexta como ponto facultativo. O feriadão tem o objetivo de esvaziar as ruas da capital. Será um teste para ver se essa decisão se transforma em um lockdown. Apostam, ele e Doria, na hipótese de que muito poucos viajarão nesta semana. Tenho a impressão de que pode haver refluxo de carros, mas não nos níveis desejados.

Baleia: 2 bilhões para saúde

O projeto relatado pelo deputado Baleia Rossi, MDB-SP, que garante o repasse de R$ 2 bilhões para Santas Casas e hospitais filantrópicos foi sancionado pelo governo Federal. A nova lei determina que o auxílio financeiro emergencial seja destinado para o combate à pandemia do Covid-19 nas instituições que atendem pelo SUS. Iniciativa digna de aplausos.

Incrível

Que o novo ministro da Saúde seja um médico ou uma médica, é coisa previsível e perfeitamente condizente com a praxe. Mas incluir entre os candidatos um ´youtuber´ é uma piada de péssimo gosto. Pois não é que as redes bolsonaristas estão indicando o nome de Ítalo Marsili como ministro da Saúde! É médico, sim, mas sua atividade mais importante é a de youtuber. Um médico influenciador nas redes?

Cloroquina e Heparina

Constata-se uma queda de braço entre a cloroquina e o anticoagulante heparina no combate ao novo coronavírus. Quem está levando a melhor, por enquanto, é a cloroquina, que tem como seu principal defensor o próprio presidente Bolsonaro. Trata-se de uma guerra onde as principais armas são escassas: falta de respiradores, leitos em UTI, etc. Mas a guerrilha química é a que vale. Agora é o presidente dos EUA, Donald Trump, quem diz que passou a tomar uma pílula de cloroquina por dia como medida preventiva. A ciência não dá esse endosso. O Conselho Federal de Medicina, do Brasil, discute a questão. E seu presidente, Mauro Luiz de Brito Ribeiro, aponta a heparina como mais eficaz do que a cloroquina.

Vacina

O laboratório Moderna, dos EUA, anuncia resultados promissores nos primeiros testes feitos em humanos para a vacina contra o Covid-19. Suas ações na Bolsa tiveram um salto de 241%.

Mais guerra química

Os EUA e mais alguns países iniciaram uma guerra química contra a China: estão deixando de comprar remédios naquele país, na esteira da politização que tomou conta do debate sobre o Covid-19. E se a China descobrir, antes que outros, a vacina? Os países por pirraça deixarão da adquiri-la? E assim bestamente caminha a Humanidade. É claro que nessa guerra há muito interesse - $$$$$$$$$ - em jogo.

Bolsonaro sobrevive

Este analista não acredita em impeachment do presidente Bolsonaro, mesmo que ele continue com o pavio aceso e tocando fogo na floresta. Decidiu falar para suas bases. Não quer governar para todos os brasileiros. É um direito que tem de escolher sua plateia. Mas é um erro que, mais cedo ou mais tarde, pagará. Impeachment no meio de uma pandemia seria um processo caótico. Ampliaria o volume das crises. E não haverá clima para se debater um afastamento do presidente. A impressão é a de que ele seguirá, claudicante, o seu caminho. Pode até não querer se candidatar. A depender da sua avaliação mais adiante. As perspectivas não são boas.

Mourão mais solto

O vice-presidente, general Mourão, parece ter voltado à velha forma: lépido e faceiro, dá entrevistas a torto e a direito. Conta com a simpatia de parcelas substantivas da sociedade, a partir de núcleos do empresariado.

Guedes mais contrito

Paulo Guedes, o mandão da Economia, está mais contrito, mesmo continuando com a verve azeitada. Está diante de uma projeção que o incomoda: queda de 5% do PIB este ano. Desemprego aumenta. Guedes tem afirmado que o país "foi atingido por um meteoro" se referindo ao impacto do coronavírus nas intenções econômicas do governo. Frente à crise, reformas que estavam em avaliação, como a tributária, ficaram em segundo plano. O esforço da União e dos poderes Legislativo e Judiciário se concentram em combater a epidemia.

O frio aperto de mão

Fecho a coluna com uma historinha da Bahia.

Um deputado baiano mandou cartão de Natal para uma mulher que morrera há muito tempo. A família, irritada, retribuiu com outro cartão: "Prezado amigo, embora jamais o tenha conhecido durante os meus 78 anos de vida terrena, daqui de além túmulo, onde me encontro, agradeço o seu gentil cartão de boas festas, esperando encontrá-lo muito em breve nessas paragens para um frio aperto de mão.

Purgatório, Natal de 2005.

O deputado leu a mensagem. Espera, angustiado e insone, pelo aperto de mão.

Gaudêncio Torquato

Gaudêncio Torquato, (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.) é jornalista, consultor de marketing institucional e político, consultor de comunicação organizacional, doutor, livre-docente e  e professor titular da Universidade de São Paulo e diretor-presidente da GT Marketing e Comunicação.