Terça, 05 Novembro 2019 17:39

À beira de uma convulsão social

Escrito por Kennedy Lacerda

Nesses últimos dias tenho ficado muito preocupado com o destino da civilização, qual será o fim dessa sociedade, e não falo somente do Brasil, de uma forma mais clara o mundo está sentado em um barril de pólvora. Se não bastasse a convulsão no continente americano, com o Chile, o país mais politizado da América do Sul, passando pela sua maior crise social dos últimos anos, a Argentina após a eleição dos peronistas Kirchneristas, teve a cotação de sua moeda desabando com a publicação do primeiro ato presidencial de congelar os preços, uma verdadeira corrida as casas de câmbio. No Peru a maior mobilização popular contra a dissolução do parlamento pelo presidente Martín Vizcarra, a Venezuela então nem se fala, com uma mobilização popular que já se arrasta por meses contra o presidente ditador Nicolas Maduro, na Bolívia o povo contestando a vitória de Evo Morales, assim como no Equador o povo saiu às ruas para protestar contra a liberação dos preços da gasolina. Na Europa não é diferente, a França enfrenta outra grave crise com os coletes amarelos e a Inglaterra vive seu drama com o Brexit, o Estados Unidos se prepara para mais um impeachment do presidente. Nesse momento de séria crise social mundial, esperava ver o Brasil se reerguendo da crise imposta pelo PT e pelos constantes roubos aos órgãos e empresas públicas. Mas nossa luta tem outro endereço, nosso problema é a falta de brasilidade daqueles que perderam o poder e não se deram por vencidos, é o ego inflado das autoridades que vivem se trocando com “pessoas comuns”, como se fossem diferentes apenas porque ocupam um cargo de relevância, a falta de humildade tomou conta de seres que se vulgam acima do bem e do mal. O que nos falta realmente é isso, patriotismo, cidadãos que ocuparam por anos o poder com a certeza de que iriam se perpetuar, esqueceram de que precisavam ter o povo ao seu lado, agora querem posar de bons moços, de homens preocupados com o futuro da nação que eles próprios saquearam às custas do sofrimento do povo, vendendo ilusões de um país promissor que na verdade estavam desmantelando, acabando com a mais doce esperança desse povo ordeiro, pacífico, mas impaciente e intolerante aos crescentes escândalos de corrupção nos país. Tudo bem que o presidente Bolsonaro é truculento, suas entrevistas são sempre uma desastre e seus filhos mais atrapalham do que ajudam, mas incitar a opinião pública traduzindo as boas ações do governo em impiedosas versões negativistas, como faz a Rede Globo também não ajuda. Não sei se Bolsonaro está no caminho certo ou errado, mas uma coisa posso garantir, a participação popular na sua eleição deixou clara a total insatisfação pelo nível de corrupção instalada no país, se nesse momento, o presidente Bolsonaro somente corrigir os rumos econômicos do Brasil, não deixando mais que sangrem os cofres públicos, ele já estará nos fazendo um enorme favor.