Domingo, 05 Abril 2020 16:07

CORONAVÍRUS: Comerciantes querem abrir lojas na MARRA.

Escrito por Peronico

Sem o apoio da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Roraima (Fecomércio) que já se manifestou contrária em respeito aos decretos de isolamento da Prefeitura e do Estado, um grupo de empresários ade Boa Vista avisa que vai abrir “na marra” as lojas nessa segunda-feira (6) nas principais avenidas comerciais da cidade – Jaime Brasil, Ataide Teive e Solon Rodrigues Pessoa.

“A Fecomércio -RR não apoia a ação desse grupo de empresários e respeita os decretos (governo e prefeitura) que pedem o isolamento social nesse momento de pandemia” informou em nota.

Mais de 100 empresários de Boa Vista reabrem os comércios nas Avenidas Ataíde Teive, Jaime Brasil e Solón Rodrigues Pessoa, nesta segunda-feira (6), às 9h, em protesto contra o decreto municipal do dia 31 de março, que prorroga os prazos das medidas de combate ao novo coronavírus.

Ouvida hoje pelo Blog, a prefeita Teresa Surita foi bem objetiva: “só vou me manifestar se de fato isso vir a ocorrer. Mas desde já afirmo que minha posição não vai mudar”.

Teresa tem sido implacável diante da necessidade de manter o comércio fechado – com algumas exceções, como farmácias, mercados, postos de combustíveis e alguns estabelecimentos onde pode se praticar o drive thru e delivey – e mais rigorosa ainda em defender o isolamento social como a forma mais segura de enfrentamento ao coronavírus.

“Estou fazendo o que é certo. O problema é que por parte do governo e alguns deputados, existe o encorajamento para manifestações infundadas e absolutamente irresponsável”, diz a prefeita.

Segundo Teresa tanto a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Ministério da Saúde, especialistas, experiências em todos países do mundo, recomendam o isolamento. “E minha obrigação é em primeiro lugar preservar vidas. Cada um que age assim precisa ter consciência que estão colocando em risco a vida de seus funcionários, familiares, amigos e população em geral”.

A prefeita diz que quem precisa cuidar da questão econômica com incentivos para as empresas e comércio são os governos federal e estadual.

“A mim cabe proteger a população para que tenham menores riscos e assim eu farei. Todos têm o direito de se manifestar, não os impedirei, mas de nada vai adiantar, porque nosso pico ainda não chegou e não posso ser irresponsável de ceder à pressão diante de algo tão grave como o que vamos viver”, afirma a prefeita.