Terça, 22 Novembro 2016 12:23

Garotinho diz ter se formado em Teologia, aqui em Boa Vista, onde nunca esteve

Escrito por

Terça-feira, 22 de novembro de 2016 

Garotinho diz ter se formado em Teologia,

aqui em Boa Vista, onde nunca esteve


Reparem bem essa marmota: o ex-governador Anthony Garotinho, preso por crime de corrupção no Rio de Janeiro, está reivindicando o direito de ir para uma cela especial no presídio de Bangu por ser possuidor de curso superior em Teologia. Até ai tudo bem, é evangélico tradicional, pregador da palavra de deus. Mas o estranho e bizarro reside no fato de Garotinho ter apresentado diploma de graduação expedido por uma faculdade aqui de Boa Vista: a Faceten – Faculdade de Ciências, Educação e Teologia do Norte do Brasil.

O mais interessante é que Garotinho jamais pôs os pés na Terra de Macunaíma – que sujeito sem caráter, hein! -, para justificar sua formação superior. O fato está sendo investigado pela Justiça Carioca por há inconsistências em datas, documentos e carga horária de aulas que põem em dúvida o grau de escolaridade de Garotinho. O grau de instrução poderá interferir na decisão sobre a destinação de Garotinho dentro do sistema carcerário. Detentos com curso superior que aguardam julgamento ficam em Bangu 8, mais confortável que outros presídios do sistema.

Em um processo julgado em 2014 pelo Tribunal Regional Eleitoral, Garotinho alega ter feito a graduação na Fatun, no Rio. Nos autos, ele informou que o diploma foi expedido pela Faculdade de Ciências, Educação e Teologia do Norte do Brasil (Faceten), em Roraima, que tem parceria com a Fatun. Em publicação em seu blog, no entanto, apresentou como prova de conclusão do ensino superior o diploma de uma terceira instituição: o Instituto de Ensino Evangélico e Formação Teológica RJ.

Das três instituições citadas, apenas a de Roraima é credenciada pelo Ministério da Educação para oferecer graduação em Teologia. Mas um desembargador do Rio de Janeiro, Alexandre de Carvalho Mesquita, que relatou a ação por suposto abuso de poder econômico, os fatos mostram que "o investigado nunca fez um curso superior de Teologia". Ele apontou ainda "evidências de falsidade ideológica" no episódio.

 

LEIA mais
www.peronico.com.br