×

Atenção

Joomla\CMS\Cache\Storage\FileStorage::_deleteFolder Falha ao deletar .nfs000000000098fff900253839
Joomla\CMS\Cache\Storage\FileStorage::_deleteFolder Falha ao deletar .nfs0000000000a4e3e10025383d
Sábado, 10 Dezembro 2016 13:24

Deportações de venezuelanos crescem mais de 800%. Só ontem foram 450, 180 eram crianças

Escrito por

Sábado, 10 de dezembro de 2016 

Deportações de venezuelanos crescem mais de 800%.

Só ontem foram 450, 180 eram crianças

0912 Deportacao de venezuelanos irregulares

As deportações de venezuelanos na fronteira do Brasil com a Venezuela, em Roraima, cresceram 824% neste ano em comparação com o ano passado. De acordo com a PF (Polícia Federal), já foram deportados mais de 1.000 neste ano, ante 54 de 2015. Roraima é a principal porta de entrada dos estrangeiros que têm deixado o país para buscar comida e moradia em cidades do Estado. Só ontem mais 450 venezuelanos – 180 crianças – foram levados de volta até Santa Elena de Uairén porque se encontravam em situação irregular, perambulando pelas ruas, praças e feiras livres da cidade.

Já são 30 mil, segundo o governo de Roraima, os venezuelanos que deixaram seu país com a crise de abastecimento e cruzaram a fronteira com o Brasil, inundando cidades como a fronteiriça Pacaraima, porta de entrada dos estrangeiros do país vizinho, e a capital, Boa Vista. O crescimento de deportações é proporcional ao agravamento do que Roraima classifica como crise humanitária. Em 2014, foram apenas 33, o ano todo.

Segundo a PF, entre 13 de outubro do ano passado e o mesmo dia deste ano, entraram no Brasil, via Pacaraima, 58.463 venezuelanos. O número, no entanto, não representa o total de habitantes do país vizinho que imigraram para o Brasil, e sim ao trânsito -um estrangeiro pode ter entrado várias vezes.

No total, 1.805 venezuelanos pediram refúgio ao Brasil neste ano, segundo o Ministério da Justiça. É, também, um total que cresce a cada ano. Em 2013, foram 54, ante os 208 de 2014 e os 825, do ano passado. A PF informou não ter estimativa sobre o contingente de venezuelanos que estão irregularmente no país. O governo de Roraima crê que a maioria dos pedidos de refúgio não será aceita por não terem elo com fuga de guerra ou violação de direitos humanos no país de origem.

 

LEIA mais
www.peronico.com.br