×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 336
Quarta, 26 Abril 2017 13:25

Roraima consegue pela primeira vez o status de livre de febre aftosa

Escrito por

2604 Coluna PeronicoQuarta-feira, 26 de abril de 2017
Finalmente uma boa notícia: Roraima
consegue pela primeira vez o status
de Estado livre de febre aftosa

Perseguido há anos por todos os governos, Roraima conquista finalmente a condição de Estado livre da febre aftosa. O certificado foi assinado ontem em Brasília pelo ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi. A medida além de estimular a criação de gado no Estado, põe Roraima na rota dos estados exportadores de carne bovina para os mercados interno e externo, principalmente, para os países da América do Sul e Caribe.

Oficializar esse status de livre de aftosa com vacinação representa um enorme ganho para a economia de Roraima, uma vez que a carne bovina produzida aqui, agora pode ser exportada para todos os Estados Brasileiros, com exceção de Santa Catarina, a única unidade da federação do país livre de aftosa sem vacinação.

O documento foi recebido com festa por parlamentares roraimenses, que foram ao gabinete do ministro e atuaram como signatários do certificado. A conquista do atual status só foi possível devido aos investimentos do Governo Federal, através de ações desenvolvidas juntos aos fazendeiros pelo governo estadual, através da Agência de Defesa Agropecuária de Roraima (Aderr), da Superintendência do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em Roraima e da Prefeitura de Boa Vista.

Após a cerimônia de assinatura da instrução normativa, o ministro Blairo Maggi ressaltou o trabalho do senador Romero Jucá para que Roraima atingisse o status de livre de febre aftosa com vacinação. “Foi marcação acirrada do Jucá, cobrando sempre investimentos e a liberação deste certificado, mostrando seu compromisso com os produtores do Estado”, disse.

Segundo a Instrução Normativa número 16 de 24 de abril de 2017, a zona livre de Febre Aftosa com vacinação será submetida em seguida à Organização Mundial de Saúde Animal – OIE para reconhecimento internacional o que abre o comércio para outros países da carne produzida em Roraima. “ Este processo levará ainda cerca de um ano para ocorrer e proporcionará um grande avanço para nossos produtores e para nossa economia”, ressaltou o presidente da Agência de Defesa Agropecuária de Roraima (Aderr), Vicente Barreto.