×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 336
Terça, 02 Maio 2017 11:56

Menores incendiariam agência bancária para quitar dívida de drogas

Escrito por

Terça-feira, 02 de maio de 2017
Menores incendiariam agência bancária para
quitar dívida de drogas com facção criminosa

0205 Coluna do PeronicoVejam só o que a polícia local descobriu: aqueles dois garotos apreendidos no sábado no centro de Boa Vista em condições suspeitas e conduzindo um vasilhame contendo gasolina, iriam atear fogo em uma agência bancária como a quitação de uma dívida de drogas com uma facção criminosa. Isso vem confirmar meu raciocínio, exposto aqui na coluna de sábado, onde fiz uma análise sobre a participação do crime organizado nesses atos de vandalismos que acontecem aqui na capital com ataques a agências bancárias e propriedade públicas.

Eu escrevi que esse pessoal está no crime organizado, mas não é o crime organizado que estava agindo e cometendo atos de vandalismo e que isso que está ocorrendo por aqui não passa de saimentos de alguns malandros ‘pés-de-chinelo’ midiáticos que logo serão identificados. Acertei na mosca e a polícia logo identificou a origem dos ataques.

Segundo a delegada da Polícia Civil que investiga as ocorrências, Eliane Gonçalves, os menores confessaram que para quitar o débito com a facção criminosa, esses deviam atear fogo em alguns pontos na cidade. E antes que fossem recolhidos os dois cometeram cinco roubos em locais distintos de Boa Vista, inclusive a moto apreendida junto com eles. Segundo o Grupo Tático Municipal da Guarda Civil Municipal, que deteve e dupla, os suspeitos transportavam na motocicleta um galão com cinco litros de combustível. Os envolvidos foram detidos pouco antes de chegarem ao banco.

De acordo com a Polícia, os infratores G.J.M.A de 17 anos e D.A.B de 16 anos, que já possuem inúmeras passagens pela polícia por roubo, tráfico de drogas e tentativa de homicídio, roubaram uma motocicleta no bairro 31 de Março, Senador Hélio Campos, Brigadeiro e Raiar do Sol. Os dois infratores afirmaram que possuíam dívidas referente a drogas com a organização criminosa e a cobrança seria que ateassem fogo em agências bancárias.