×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 336
Quinta, 25 Maio 2017 11:51

Prola manda recado aos meliantes: se o sujeito trocar tiro com a PM, vai tomar tiro também

Escrito por

Quinta-feira, 25 de maio de 2017
Prola manda recado aos meliantes: se o sujeito
trocar tiro com a PM, vai tomar tiro também

2505 Comandante Prola da PM Coluna PeronicoAo seu modo, rixoso, briguento mesmo – estado natural do coronel Prola – o novamente comandante da Polícia Militar foi fulgente ao mostrar suas credenciais contra a criminalidade, em sua primeira entrevista a um canal de TV depois que ocupou a cadeira principal do QCG da PM.

Ele disse na TV Roraima, ontem, que a PM vai ocupar as ruas da capital, determinada a combater as ocorrências criminais que tanto atemorizam a população atualmente, prometendo atuar com rigor no combate a bandidagem: "bandido que enfrentar a polícia vai enfrentar à altura do que ele fizer: se trocar tiro com a polícia, vai tomar tiro. Vamos enfrentar bandido da forma que ele merece", disse o comandante.

Essa é a segunda vez que Prola está no comando da PM, corporação que ele deixou em 2014 quando, ao entrar para o quadro da reserva. O coronel disse na entrevista que vai botar a polícia na rua para prender marginais, combater o crime organizado e agir com rigor se houver enfrentamento. “O sujeito que tocar o vai pagar caro porque nós vamos estar preparados para revidar, na força”, disse.

O novo comandante, que estava afastado da ativa há dois anos, disse ter recebido o convite para assumir a tropa com "muita honra". Para ele, a forma como irá comandar a PM "não será nenhum mistério".

A ida de Prola para o QCG continua provocando ruídos silenciosos entre os oficiais superiores da ativa que não se afinam com o coronel tido como linha dura.

A nomeação pode parecer natural, ganhou a simpatia de centenas de internautas, mas causou desarranjo na caserna e essa resistência pode comprometer os planos de Prola. Um grupo de oficiais procurou deputados da base governista no dia de ontem, com o objetivo de tentar dissuadir do governo da mudança.