×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 336
Quarta, 21 Junho 2017 12:41

Clima de tensão na Assembleia

Escrito por

Quarta-feira, 21 de junho de 2017
Clima de tensão na Assembleia: Se não houver contensão
no temperamento dos deputados, o ‘pau vai cantar’

Desculpe-me pela expressão acima, mas é o que se pressagia na Assembleia. Uma curta sinopse do drama que se prenuncia para os próximos dias no parlamento roraimense foi exibida ontem em ‘sessão de gala’, com o envolvimento dos atores principais do enredo, o líder do Governo Brito Bezerra e a expoente figura do G-16 Jânio Xingu. A exasperação e o temperamento em alta voltagem é decorrente do clima tenso que se testemunha no momento por conta do pedido de Impeachment da governadora Suely Campos, protocolado na Casa na segunda-feita,19. E se já no primeiro capítulo cenas de duelo explícito foram exibidas, dá para se imaginar o que virá no prosseguimento da trama.

Xingu fazia o seu papel de tribuno, discursando em defesa dos agentes penitenciários e abriu uma pequena cavidade no pronunciamento para orientar o líder Brito de que o nome da governadora Suely não deveria estar sendo enunciado em vão e em praça pública ‘por um bando de baderneiros, liderado por um desocupado, por se tratar de uma mãe de família, mulher honrada’, dizia ele referindo-se aos seguidores de Faradilson Mesquita que ocupavam a frente do Parlamento em ato de solidariedade à Suely, onde o nome dela era pronunciado a todo instante.

Xingu pediu que o líder levasse essa mensagem à Suely ao que Brito, feito ‘cabra macho’ e incomodado com o ‘recado’ pediu um aparte e ao invés de ingressar no assunto, meramente, retrucou Xingu e passou a desconstruir o momento político que se vive em Roraima, ‘uma autêntica politicagem’ e rematou: “eu estou de saco cheio”, disse Brito. Entre gritos, dedos apontados e palavradas, Xingu devolveu o insulto com algo meio que rasteiro: “você não é ninguém, não passa de um puxa-saco da governadora, e tem mais, não tenho medo de você”.

As cenas de ontem já dizem o que se prenuncia nos próximos dias entre deputados – oposição e situação - que não estão ali certamente para serem os protagonistas desses espetáculos patéticos. Haverá seguramente nos capítulos seguintes desse filme pastelão, cenas de violência verbal, pouco respeito ao próximo, provocações e a inobediência total à liturgia do cargo, onde o tratamento dispensado de praxe como “Vossa Excelência” será certamente transmutado para ‘você’, simplesmente. E olhe lá.... E a degradação da política, com consequência para eles [deputados] será inevitável.