×

Atenção

JUser: :_load: Não foi possível carregar usuário com ID: 336
Quarta, 05 Julho 2017 12:18

Senador Telmário Mota se opõe ao desenvolvimento de Roraima

Escrito por

Quarta-feira, 5 de julho de 2017
Telmário se opõe ao desenvolvimento de Roraima:
ele é contra a ideia de financiar o asfaltamento
de rodovia até Georgetown, na Guiana

Sinceramente não é compreensível determinadas atitudes de Telmário Mota. Eleito senador da República por Roraima, nada ou quase nada faz em prol do desenvolvimento do estado além, claro, d servir de chacota no Plenário Senado com atitudes imaturas. A mais nova do senador do povo é que ele fez um férvido pronunciamento colocando-se absolutamente contrário a proposta do senador Romero Jucá (PMDB) de financiar a pavimentação da rodovia que liga Roraima aos portos de águas profundas na vizinha Guiana.

O asfaltamento dessa rodovia é um sonho alentado há décadas pelos empresários e pela população roraimense, porque alarga a perspectiva de novos mercados no Caribe e América do Norte, além de abrir caminhos para o turismo a partir de Georgetown e para outros destinos no exterior, pela facilidade de locomoção e preços do transporte aéreo bem mais em conta.

O pior é que Telmário além de ser contra a obra ainda desdenha do empresariado local, ao afirmar que o trecho no país vizinho tem 400 quilômetros de extensão e seria destinado a facilitar exportações e importações, “ocorre que esse investimento não se justifica, já que Roraima não tem produção suficiente para exportar no momento”, diz o senador do povo.

De acordo com Telmário, o estado já tem saídas para escoar a produção, via Manaus e via Venezuela. Além disso, vários municípios de Roraima não contam com acesso por asfalto e, na opinião do senador, esta verba poderia ser mais bem utilizada para atender às necessidades locais.

— Nós precisamos de estrada para asfaltar as nossas vicinais, a malha produtiva do nosso estado, para escoar a nossa produção. [Vamos] primeiro aparelhar o nosso estado antes de aparelhar o país dos outros — disse Telmário.