Segunda, 30 Dezembro 2019 18:01

Tensão na fronteira: Militares venezuelanos detidos em Roraima vão pedir refúgio no Brasil.

Escrito por Expedito Peronico

 O Ministério das Relações Exteriores afirmou que os cinco militares venezuelanos
que foram localizados pelo Exército em uma reserva indígena em Roraima, no último
dia 26, iniciarão procedimentos para solicitar refúgio no Brasil, "a
exemplo de outros militares venezuelanos em situação similar".

O governo do país vizinho acusa os
militares de participarem de um ataque a uma base militar no sul do
território venezuelano, próximo de Pacaraima, há uma semana.

"Os
cinco militares venezuelanos localizados em território brasileiro, em 26 de
dezembro, pelo Exército Brasileiro, durante patrulhamento de rotina na
fronteira, foram recebidos pela 'Força Tarefa Logística Humanitária Operação
Acolhida', onde iniciarão os procedimentos para a solicitação de refúgio no
Brasil, a exemplo de outros militares venezuelanos em situação similar",
afirmaram em nota conjunta os Ministérios das Relações Exteriores e da Defesa.

O governo da Venezuela disse que os militares são desertores do Exército do país e suspeitos de participar de um ataque armado no último domingo (22), ao Batalhão de Infantaria de Selca Mariano Montilla, na localidade de Luepa, perto da fronteira com o Brasil.

Maduro criticou o Brasil por acolher militares desertores.

Maduro condena decisão | A ditadura de Nicolás Maduro divulgou ontem (29) um comunicado condenando a decisão do governo brasileiro de conceder refúgio aos cinco militares venezuelanos  retidos em Roraima na semana passada pelo Exército.

"A República Bolivariana da Venezuela denuncia à comunidade internacional a decisão insólita do governo brasileiro de conceder status de refugiado aos cinco terroristas responsáveis pelo ataque armado ao Batalhão de Infantaria 513 do Gran Sabana", diz o comunicado publicado pelo chanceler venezuelano Jorge Arreaza.

O ditador Nicolás Maduro disse ter cogitado ordenar que as Forças Armadas de seu país capturassem os que foram retidos em Roraima na última quinta-feira.

"Nosso exército chegou à fronteira e viu os criminosos terroristas daquele lado. Tínhamos um dilema: entrar e capturá-los e trazê-los ou respeitar a fronteira e soberania com o Brasil", afirmou.

A fronteira, em Pacaraima, continua sendo vigiada pelo Exército.

Venezuela pede devolução | A Venezuela iniciou procedimentos para pedir que o Brasil entregue
os cinco militares detidos na fronteira, que teriam envolvimento em um assalto
a um destacamento das Forças Armadas, de acordo com o ministro das Relações
Exteriores Jorge Arreaza.

Na semana passada, a Venezuela acusou o Brasil a um grupo
responsável por ataques contra unidades militares no Sul do país, perto da
fronteira com o estado de Roraima.

Maduro afirmou que um lote de armas roubadas estaria em território brasileiro e chamou o incidente de "ataque terrorista".