Terça, 26 Novembro 2019 02:35

GLOBO SOB VIGILÂNCIA CERRADA. Observem as mudanças na linha editorial. SAIBA PORQUE!

Escrito por Neimar Fernandes

Nada como um dia após o outro! Sempre que abordo algum assunto em relação a Rede Globo os ISENTÕES caem de pau.

Peço que fiquem atentos a uma grande mudança de comportamento da emissora (apenas da emissora) na linha editorial dos programas jornalísticos.

Há três semanas após noticiar, aqui neste mesmo espaço, a possível mudança no controle acionário da empresa, com a visita de Daniel Hajji, principal executivo de Carlos Slim no Brasil, agora foi a vez do filho de Slim trazer mais um duro recado aos Marinho.

“Falando sério, o mundo dá voltas e, às vezes, não nos percebemos desse fato.

Na semana passada, foi muito marcante a quantidade de coincidências ocorridas com relação ao momento político que vivemos.

A saber: o filho de Carlos Slim, o mexicano mais rico do mundo, dono da Claro e co-proprietário do Grupo Globo de Comunicações, esteve no Rio de Janeiro e em Brasília.

Em terras cariocas reuniu a direção do Grupo Globo e determinou que parassem de perseguir o governo Bolsonaro pois tal fato acarretaria na perda da concessão do canal de tv no próximo ano ou, em hipótese mais suave, no pagamento de um débito gigantesco que o grupo brasileiro tem com o governo federal em diversas áreas.

O que o filho de Carlos Slim estava dizendo é que sua família não está disposta a desembolsar bilhões de reais para cobrir posições políticas brasileiras provocadas pelos ataques a Bolsonaro e seu governo.

Imediatamente, e na noite seguinte, o Jornal Nacional começou a divulgar notícias positivas do governo federal, fato que surpreendeu a todos quantos prestam atenção no noticiário de todas as empresas atualmente em atividade.

Após a visita ao Rio, Slim Júnior foi a Brasília e reuniu-se com Bolsonaro, – que não sorriu uma só vez, – e seus assessores, quando foi informado que Slim pai havia determinado ao grupo Globo o fim dos ataques. Bolsonaro ouviu e calado ficou.

Logo após, os visitantes foram ao encontro de Rodrigo Maia e em reunião coletiva, na Câmara dos Deputados, em torno de uma grande mesa, onde estavam 16 pessoas, informou que tomara providências para que as relações do Grupo Globo com o poder federal seriam amaciadas e que, se não fosse atendido, cabeças rolariam não apenas na emissora de televisão mas, também em outras áreas do conglomerado do qual são sócios através de uma gigantesca introdução de capital ocorrida recentemente.

Para finalizar, o Jornal Nacional está sob observação e seus editores sob vigilância. A conferir.”