Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta–feira (27) a Operação Tori, que tem o objetivo de combater a atividade de garimpo ilegal que ocorria em terras indígenas Ianomâmi e em reservas ambientais no estado de Roraima. A denominação Tori – que significa carrapato no idioma Ianomâmi –, é uma alusão à forma como os garimpeiros se fixam na terra indígena e sugam suas riquezas.

Cerca de 200 policiais federais deram cumprimento a 77 mandados em diversos municípios do estado. Foram 17 mandados de prisão preventiva, 12 de prisão temporária e 48 mandados de busca e apreensão. A Justiça deferiu, ainda, a autorização para destruição de duas pistas clandestinas de pouso, a suspensão da atividade econômica de três estabelecimentos comerciais, a suspensão da licença de voo de vários pilotos e a autorização para a apreensão de 18 aeronaves.

Os mandados foram expedidos pela 4ª Vara Federal, Seção Judiciária de Roraima, após Representação da Autoridade Policial responsável pelas investigações. Os alvos dos mandados são, principalmente, proprietários de maquinário, aviões e receptadores de ouro envolvidos com a logística do garimpo ilegal da região. A operação contou com o apoio do Exército e da ANATEL.

Após mais de um ano de investigação, a PF identificou os responsáveis pelos envios de suprimentos e do transporte de garimpeiros para as regiões de exploração de minério. O Inquérito Policial também aponta o destino do ouro que era extraído ilegalmente, o qual parte seria comprado por empresas no próprio estado de Roraima e parte escoado para outros estados da Federação.

O relacionamento dos garimpeiros com os fornecedores ocorria por meio de centrais clandestinas de rádio, que recebiam as demandas diretamente dos garimpos e as repassavam para os grupos encarregados pela compra dos produtos. Após serem adquiridas, as mercadorias eram levadas para pistas clandestinas em áreas rurais, onde eram carregadas em aeronaves que abasteciam os garimpos e retornavam com o ouro extraído de terras indígenas e de reservas ambientais para empresários do estado.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down