jrh log
ANO XIV - 1º jornal 100% online de Roraima desde 2014


Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Em Roraima serão discutidas as causas e consequências das doenças em nível local e nacional

2807 Ministro da Saude Ricardo BarrosO ministro da Saúde, Ricardo Barros, participa nesta quinta-feira (28) da Reunião da Comissão IntergestoresTripartite, onde serão debatidos te mas referente à judicialização, com apresen tação do Conselheiro do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), Arnaldo Hossepian. Na ocasião, também será lançada a nova campanha de prevenção às hepatites de 2016. O lançamento da campanha faz parte das comemorações do Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, nesta quinta-feira (28). A data foi criada a partir de uma iniciativa brasileira que foi proposta à Organização Mundial de Saúde (OMS), em maio de 2010, durante a Assembleia Mundial de Saúde.

Em Roraima, no Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais a Sesau (Secretaria Estadual de Saúde), em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde e o Ministério da Saúde, realizará Seminário sobre Hepatites Virais. O evento será realizado nesta sexta-feira (29), no auditório do Cadecon (Centro de Ciências Administrativas e Econômicas), localizado na UFRR (Universidade Federal de Roraima), das 8 às 18 horas.

O evento busca fortalecer a capacidade técnica de combate das hepatites virais na implementação de ações desenvolvidas na rede de assistência. As mesas de debate irão tratar a doença em sentido amplo, das causas às consequências em nível nacional e estadual, fazendo um demostrativo do perfil de hepatites predominantes na região. As hepatites virais são um problema de saúde pública no Brasil e no mundo. Em Roraima, até o momento, foram confirmados 55 casos em 2016, o que representa 9,75% das notificações. O dado apresenta redução de 4,89% em comparação com o primeiro semestre de 2015.

De acordo com a gerente em exercício do Núcleo Estadual de Hepatites Virais, Franciete Brito, o Núcleo tem a missão de reduzir a incidência das hepatites virais e melhorar a qualidade de vida dos portadores da doença, promovendo ações de prevenção, vigilância, controle e assistência, respeitando os princípios e as diretrizes do Sistema Único de Saúde. “Com base nisso, realizamos sempre a capacitação para os profissionais de saúde, campanhas educativas, panfletagem e seminários para disseminar informação sobre a doença”, disse.

As notificações de hepatites B e C têm aumentado em quase todos os Estados do Brasil. Esse número tem crescido em função da oferta de testagem rápida em campanhas e a descentralização dos testes às Unidades Básicas de Saúde (postos de saúde). O Sinan (Sistema de Informação de Agravos de Notificação), aponta que no Estado de Roraima houve aumento da detecção de casos de hepatites B e C, enquanto há um declínio dos casos de hepatite A.

Ao analisar os casos por município de residência no ano de 2015, existe uma grande incidência de hepatite A no município de Amajarí (taxa de 60,39 casos por 100 mil habitantes), seguido pelo município de São Luiz (28,70/100.000 hab.). A hepatite B apresentou maior taxa de detecção nos municípios de Mucajaí (58,72/100.000 hab.) e Caroebe (47,17/100.000 hab.). As hepatites C e D, foram detectadas apenas no município de Boa Vista com taxas de 5,39/100.000 hab e 0,34/100.000 hab., respectivamente, conforme tabela abaixo.

AVANÇOS – Um dos maiores avanços no tratamento às hepatites virais foi a implantação do atendimento multidisciplinar dos portadores crônicos das hepatites virais no SAE (Serviço de Assistência Especializada), no ano passado. Com a implantação deste serviço foi possível proporcionar assistência de qualidade aos portadores desta doença, garantindo assistência clínica, terapêutica, farmacêutica e psicossocial, em nível ambulatorial, fixando o paciente a uma equipe multidisciplinar que o acompanhará ao longo de sua doença, melhorando a qualidade de vida dessa população no estado de Roraima.

Classificação final 2015 2016 Total
% %  
Ign/Branco 3 0,51 80 14,18 83
Confirmação laboratorial 79 13,32 55 9,75 134
Confirmação clínico-epidemiológica 0 0 0 0 0
Descartado 283 47,72 238 42,2 521
Cicatriz sorológica 99 16,69 123 21,81 222
Inconclusivo 129 21,75 68 12,06 197
Total 593 100 564 100 1157


HEPATITES VIRAIS – Os agentes etiológicos das hepatites virais são os chamados vírus hepatotrópicos, sendo os mais importantes designados por letras do alfabeto (vírus A, vírus B, vírus C, vírus D e o vírus E). Estes vírus têm em comum a predileção para infectar os hepatócitos (células hepáticas), entretanto, divergem quanto às formas de transmissão e consequências clínicas.

Quanto às formas de transmissão, as hepatites virais podem ser classificadas em dois grupos: o grupo de transmissão fecal-oral (vírus A e vírus E) – tem seu mecanismo de transmissão ligado a condições de saneamento básico e higiene pessoal, da água e dos alimentos; o segundo grupo (vírus B, vírus C e vírus D) possui via de transmissão parenteral, sexual, vertical, por diversos mecanismos como compartilhamento de material contaminado seja para uso de drogas (seringas e agulhas, canudos), seja para higiene pessoal (alicates de unha, barbeadores, escovas de dente), ou para confecção de tatuagens e piercings, entre outras.

A evolução clínica das hepatites varia conforme alguns fatores ligados ao vírus e outros fatores ligados ao hospedeiro. Os vírus A e E apresentam apenas formas agudas de hepatite, não possuindo potencial para desenvolver formas crônicas da infecção. Isto quer dizer que após uma hepatite aguda, por algum destes vírus, o indivíduo recupera-se totalmente, eliminando o vírus do seu organismo.

Por outro lado, as hepatites causadas pelos vírus B, C e D podem apresentar tanto formas agudas quanto crônicas da infecção. Deste modo, após a infecção aguda, por algum destes vírus, o indivíduo poderá curar-se completamente ou continuar com o vírus no organismo, tornando-se portador do vírus.

As consequências do estado de portador podem ser danosas com desenvolvimento de cirrose hepática e suas complicações com o passar dos anos. Felizmente, apenas uma parcela dos portadores crônicos destes vírus apresenta uma evolução clínica danosa.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down