logo jrh

Boa Vista - RR, Quinta-feira, 23 de maio de 2019

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Mulheres podem contar com atendimento presencial pela equipe multidisciplinar e com o Zap Chame - 98402-0502

Apesar do recesso na maior parte dos setores públicos, o Chame (Centro Humanitário de Atendimento à Mulher) continuará com os atendimentos para mulheres em situação de violência. As vítimas podem procurar o centro tanto presencialmente como pelo ZapChame, serviço de orientação urgente por mensagens de WhatsApp.

O Chame é desenvolvido pela Assembleia Legislativa de Roraima (ALE-RR), por meio da Procuradoria Especial da Mulher, para defender os direitos da mulher, fazendo cumprir leis como a Maria da Penha (que pune a violência doméstica e familiar) e do Feminicídio (alteração no código penal que torna hediondo o homicídio de mulher devido ao seu gênero).

A premissa do centro é garantir atendimento humanizado gratuito às vítimas de violência, prestando assistência jurídica, psicológica e social. A unidade funciona de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 13h30, na rua Coronel Pinto, 524, Centro.

Por telefone, as vítimas podem solicitar atendimento por meio do ZapChame 98402-0502, que funciona 24 horas, todos os dias, e atende pessoas tanto da capital quanto do interior. Quem precisar de mais informações pode ligar ainda para o telefone 0800-095-0047.

“O atendimento continua normalmente. Estaremos à disposição para atender as mulheres que estejam passando por alguma situação de violência”, explicou a advogada do Chame, Aline Monteiro.

ATENDIMENTOS - Nos últimos quatro anos, o centro realizou 2.693 atendimentos, que vão desde pedidos de socorro, orientação, informação sobre violência doméstica e familiar. A maior parte dos casos que chegam ao serviço são de violência psicológica, responsável por 1.343 atendimentos no período. A orientação jurídica é o serviço mais procurado pelas mulheres, com 3.372 atendimentos.

O atendimento começa com as informações básicas às vítimas. Dependendo da situação, é prestado um serviço com psicólogos e assistentes sociais, que fazem todo o acompanhamento à mulher e o agressor, e por último, o jurídico, que compreende os acordos, como pensão alimentícia, partilha de bens e guarda de filhos.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down