jrh log
ANO XIV - 1º jornal 100% online de Roraima desde 2014

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Uma comitiva, com integrantes do CNJ e Depen, inicia o cronograma de coleta de dados e discussões para a formalização do plano para Roraima

Visando contribuir para o enfrentamento dos problemas do sistema criminal e penitenciário do Brasil, o CNJ - Conselho Nacional de Justiça está levando para todos os estados do Brasil o programa Justiça Presente. A intenção é trabalhar de maneira customizada e duradoura, ou seja, com soluções voltadas para a realidade do sistema prisional de cada unidade da federação, por meio de parcerias com as autoridades responsáveis e instituições e entidades envolvidas com o setor.

Já lançado na maioria dos estados brasileiros, e em fase de implantação, ontem segunda-feira (27), foi a vez de Roraima. Uma comitiva, formada por integrantes do CNJ e Depen - Departamento Penitenciário Nacional, iniciou uma programação de 2 dias com reuniões e visitas, com o intuito de coletar dados e ouvir os atores envolvidos na área para a customização do programa para Roraima. A abertura dos trabalhos ocorreu no TJRR - Tribunal de Justiça de Roraima, que será o coordenador do programa, por meio do GMF - Grupo de Monitoramento do Sistema Carcerário.

2805 DesCarlosAdamekO secretário-geral do CNJ, desembargador Carlos Von Adamek, que conduz a comitiva em Roraima, iniciou a apresentação da proposta para o Estado enfatizando que a deficiência nos presídios em todo Brasil é grave e precisa ser enfrentada; mas, para isso são necessários esforços coordenados e conjuntos.

“O problema carcerário é muito grave no país. A exemplo, temos a Pamc - Penitenciária de Monte Cristo aqui em Roraima, onde já temos uma superlotação; a população carcerária só aumenta; mas o Estado não tem capacidade de construir novas unidades. É preciso desafogar a superlotação. Sabemos que cada estado tem sua realidade, e por isso o CNJ, preocupado com isso, está oferecendo ao Tribunal de Justiça de Roraima o programa”, comentou.

O diretor do Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário e do Sistema de Execução de Medidas Socioeducativas do CNJ, juiz Luiz Geraldo Lanfredi, reforçou a gravidade do problema.

“Precisamos de espaços mais dignos, e não é simples. Essas unidades enfrentam e já enfrentaram até massacres [citou as ocorrências de 2017, quando 33 presos morreram em Roraima; e o último domingo, dia 26 de maio, quando 15 presos foram assassinados dentro de uma penitenciária no Amazonas]. Esse sistema prisional é ineficiente, não recupera, só deforma. Não vamos e nem pretendemos trabalhar medidas paliativas. O programa tem 18 ações anunciadas com previsão de investimentos”, declarou.

2805 VisitaCentralMinitoramentoSejuc

O coordenador do GMF - Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário, desembargador Almiro Padilha, acredita que os trabalhos do Justiça Presente poderão promover benefícios importantes ao sistema.

“Depois da intervenção, o sistema apresentou alguns avanços. Hoje temos um sistema penitenciário com maior humanização; e agora, com o desenvolvimento das ações deste programa do CNJ, a situação vai melhorar ainda mais”, observou.

O presidente do TJRR, desembargador Mozarildo Cavalcanti, acredita que o programa representa uma nova forma de pensar o sistema prisional. “Nós, que vivemos um problema sério nos últimos anos quanto à questão penitenciária, precisamos procurar novas formas de enfrentar esse problema. Esse programa trazido pelo CNJ é muito importante para caminharmos nesse sentido”, destacou.

Equipe Técnica do Programa Justiça Presente inicia coleta de informações

 

2805 VisitaCentralMinitoramentoSejuc1

Depois da abertura das discussões no Pleno do TJRR, na manhã desta segunda-feira, as equipes técnicas de implantação do programa deram início aos trabalhos de coleta de informações. O primeiro compromisso da agenda da missão foi no Centro de Monitoramento da Sejuc - Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania, onde integrantes do Depen e CNJ tiveram acesso ao trabalho de monitoramento de detentos em Roraima.

Segundo o coordenador local de implantação do Justiça Presente, Gustavo Bernardes, o objetivo desta primeira visita foi conhecer e iniciar articulações para fortalecimento do serviço. “A equipe buscou dialogar sobre estrutura e contexto local da monitoração eletrônica, parâmetros aplicados, entre outras situações”, informou.

Ainda na tarde desta segunda-feira, dia 27, as equipes do programa seguem com reuniões no Fórum Criminal Ministro Evandro Lins e Silva, com os responsáveis das audiências de custódia; com representantes de entidades e instituições que desenvolvem projetos voltados para o setor Conselho das Comunidades, DPU - Defensoria Pública da União; Pastoral Carcerária, Conselho Penitenciário, DPE - Defensoria Pública do Estado e MPRR - Ministério Público do Estado de Roraima.

Hoje, terça-feira, dia 28, também no Fórum Criminal, as equipes se reúnem com representantes da Sejuc - Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania para tratar de convênios, recursos fundo a fundo, e outras fontes para as Centrais Alternativas de Penais e Monitoramento Eletrônico; além de dialogar sobre iniciativas de trabalho e egressos; e processos formativos a serem oferecidos pelo CNJ/PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento.

Na parte da tarde, às 14 horas, no Fórum Criminal, será realizada Reunião Estadual sobre Plano Executivo, que será finalizado e acordado com o GMF - Grupo de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário do TJRR.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down