Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Negociação ocorreu na BR-174, local de bloqueio dos caminhoneiros, com representantes do governo do estado

Em negociação com o Governo de Roraima, os caminhoneiros que estão no bloqueio da BR-174 – rodovia federal que interliga Roraima a Manaus e Venezuela – garantiram a liberação de cargas de medicamentos, produtos químicos para tratamento da água distribuída pela Caerr (Companhia de Águas e Esgotos de Roraima) e combustível para viaturas das polícias Civil e Militar e ambulâncias da Secretaria de Saúde. O diálogo ocorreu na tarde desta sexta-feira, 25.

A equipe foi composta pelo secretário Chefe da Casa Civil, Frederico Linhares, secretária de Segurança Pública, Haydèe Magalhães, secretário de Saúde, Ricardo Lopes, delegada Geral da Polícia Civil, Giuliana Castro e o diretor-Presidente da Caerr (Companhia de Águas e Esgoto), Danque Esbell.

“Viemos garantir que os serviços essenciais não sejam prejudicados pela greve dos caminhoneiros, especialmente materiais de saúde, medicamentos e produtos químicos utilizados em tratamento de água. O governo do estado entende que as reivindicações dos caminhoneiros são de âmbito nacional e que possuem o objetivo de mudar a política de preços de combustíveis no país”, afirmou o secretário da Casa Civil, Frederico Linhares.

Um dos representantes do movimento, o caminhoneiro Áquila Costa do Nascimento, informou que o Governo de Roraima foi a única instituição que visitou a concentração dos caminhoneiros e ouviu as reivindicações.
“Eu fico muito feliz porque vocês são a única instituição que veio ouvir nossas reivindicações. Nós somos trabalhadores e estamos parados porque não dá mais pra continuar trabalhando com a alta no preço dos combustíveis”, disse o representante da categoria.

Em Roraima, os protestos ocorrem em rodovias federais, sob jurisdição da Polícia Rodoviária Federal e, para preservar direitos coletivos e individuais, não haverá o uso de forças estaduais para reprimir a manifestação.
O povo de Roraima sofre com a forte carga tributária dos combustíveis, por estar numa das regiões mais distantes dos centros do país, o que encarece os preços de todos os produtos, desde alimentos a passagens aéreas e de transporte rodoviário.

Para minimizar esses impactos no bolso dos roraimenses e garantir as condições de trabalho dos caminhoneiros, Roraima foi um dos primeiros estados a reduzir a alíquota do ICMS para o óleo diesel e o combustível de aviação.
O governo segue acompanhando o movimento e adotando as ações que defendam o interesse do povo de Roraima.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down