Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Movimentos sociais, instituições públicas e privadas realizaram nesta segunda-feira (30), ações preventivas em alusão ao Dia Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, data instituída pela ONU (Organização das Nações Unidas), intitulada pelo Ministério da Justiça como campanha Coração Azul. Durante a culminância da campanha foram identificados uma vítima de exploração sexual e outra de trabalho escravo ou servidão.

“Dentro do tráfico de pessoas temos 5 modalidades. Em um dos casos a pessoa não sabia que estava sendo vítima de trabalho forçado. Explicamos a essa pessoa o que era servidão e ela ficou de ir lá no Núcleo para receber toda a informação sobre como proceder. Outro caso era de exploração sexual, que é um caso mais sigiloso”, explicou Socorro Santos, coordenadora do Núcleo de Promoção, Prevenção e Atendimento às Vítimas de Tráfico de Pessoas.

Os casos foram identificados durante a ação promovida pelo núcleo, ligado à Procuradoria Especial da Mulher da Assembleia Legislativa, que realizou no Pátio Roraima Shopping, localizado no bairro Cauamé, Zona Norte de Boa Vista, uma exposição e panfletagem com informações educativas e preventivas sobre este tipo de crime, considerando que Roraima é um dos principais estados na rota do tráfico de pessoas.

Representando a organização cristã ‘Exército da Salvação’, a tenente Jaqueline Silva do Nascimento contou que a entidade atua na luta contra o tráfico de pessoas há mais de 150 anos no Brasil. “E para gente é muito importante unirmos ao Núcleo para o combate ser muito mais forte, ter muito mais peso e trabalharmos dentro da prevenção porque é algo que ajuda a minimizar essa temática”, contou.

NÚCLEO - Criado em 2016, o Núcleo de Promoção, Prevenção e Atendimento às Vítimas de Tráfico de Pessoas, da Procuradoria Especial da Mulher, atendeu a cinco casos de tráfico de pessoas, sendo duas encaminhadas por membros da Rede de Proteção e outras três de forma voluntária.

As denúncias podem ser feitas diretamente ao Disque 100 ou 180. Se preferirem, as vítimas podem procurar o Núcleo localizado na avenida Capitão Júlio Bezerra, nº 193, sala 5, no Centro de Boa Vista, onde serão acolhidas e orientadas.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down