Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Desde segunda–feira (3) o estado de Roraima conta com um espaço totalmente estruturado e com pessoas capacitadas no atendimento às mulheres vítimas de violência. A Casa da Mulher Brasileira fica localizada na Rua Uraricoera, Bairro São Vicente, e foi inaugurada pela secretária nacional de Políticas para Mulheres do MDH (Ministério dos Direitos Humanos), Andreza Colatto, que passou o comendo da instituição ao governo do estado.

A obra de 3 mil metros quadrados foi executada em termo de cooperação técnica entre os governos federal e estadual, como principal ação do Programa Mulher, Viver sem Violência, desenvolvido pelo MDH, por meio da Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres. A Casa tem capacidade para atender até 200 pessoas por hora e reunirá, em um único local, todas as instituições que trabalham no enfrentamento à violência contra a mulher.

A coordenação será da Setrabes (Secretaria do Trabalho e Bem-Estar Social), com a atuação do Tribunal de Justiça, Juizado Especial, Núcleo Especializado da Promotoria, Núcleo Especializado da Defensoria Pública, Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, Ronda Maria da Penha.
Os profissionais que irão atuar na unidade passaram por capacitação nos dias 28 e 29 de novembro, com objetivo de entender seu funcionamento, além das políticas de acolhimento humanizado no atendimento às mulheres.

A secretária nacional de Políticas Públicas para Mulheres, Andreza Colatto, ressalta que são 7 unidades em funcionamento no Brasil e que a Casa da Mulher Brasileira de Roraima será um ponto de apoio, inclusive as imigrantes. “Esperamos que sejam implantadas em todas as capitais do Brasil, pois são locais para que as mulheres possam se sentir acolhidas. Hoje, a unidade também é muito procurada para cursos de qualificação profissional, que são oferecidos e assim possam buscar a autonomia de vida e sair do ciclo de violência”.

0412 Casa da Mulher Brasileira inaugurada3

O investimento do governo federal na Casa da Mulher Brasileira de Roraima foi de R$ 10,5 milhões, além de R$ 8 milhões, a título de manutenção, que serão liberados por meio de convênio celebrado entre Governo Federal e Governo Estadual. Neste momento, a Deam (Delegacia da Mulher) já está funcionando no local, assim como a equipe do Ronda Maria da Penha, mas as mulheres encontrarão vários serviços no local.

“As mulheres poderão esclarecer dúvidas, passar por atendimentos psicossociais, ter à disposição o setor de autonomia econômica, transporte para encaminhamentos a serviços de saúde. Além disso, enquanto está sendo atendida, os filhos podem ficar na brinquedoteca, além de ter à disposição um local onde podem permanecer por até 48 horas”, explica a coordenadora estadual de Políticas Públicas para Mulheres, Maria Eva Ferreira.

Caso necessitem, as mulheres vítimas de violência poderão ser encaminhadas ao setor de capacitação e autonomia e direcionamento ao setor de saúde. Para a Maria Eva, a unidade está sendo entregue em boa hora, considerando o cenário nacional de violência, principalmente em Roraima. “Tenho certeza de que estamos recebendo o espaço no momento certo. Nós conhecemos a situação do Estado em nível nacional, que está em primeiro lugar em questão de violência, infelizmente. E essa Casa veio com o objetivo diminuir esses números e melhorar essas questões. Esperamos que esse trabalho venha fluir, e com isso tenhamos resultados positivos dentro dessa proposta”, ressaltou.

A Casa conta com parceria das ONGs, (Organizações Não Governamentais), que neste caso está representada pela ONU (Organização das Nações Unidas). De acordo com a coordenadora da Casa da Mulher Brasileira, Maria Aparecida Souza, os atendimentos oferecidos às mulheres serão gerenciados pelo Executivo Estadual com prestação de serviços de maneira absoluta. “Toda mulher vítima de violência receberá o atendimento integral e especializado. Isso significa que elas receberão atendimentos psicossociais e triagem, para que sejam encaminhadas ao serviço que precisar, por 24 horas, devidamente acompanhada”, destacou a coordenadora.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down