Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Maior mostra de Ciências e Engenharia contou neste ano com 332 projetos desenvolvidos por 751 estudantes do ensino fundamental, médio e técnico de todo o País.

Um projeto de estudantes de Roraima recebeu dois prêmios na 17ª edição da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), que aconteceu de 19 a 21 de março, em São Paulo. Os alunos Axel Aredes, Isabela Gomes Araújo e Lorena da Silva Neto, da Escola Estadual Profa. Maria das Dores Brasil, de Boa Vista, se destacaram por estudar a eficiência do extrato etanólico da Senna alata L. como biolarvicida dos mosquitos Aedes aegypti e Culex quinquefasciatus. (Veja abaixo mais detalhes do projeto).

Na Febrace, eles foram um dos vencedores do Prêmio Destaque Unidades da Federação. E também ganharam Menção Honrosa da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

Promovida pela Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP), a mostra deste ano contou com 332 projetos de Ciências e Engenharia desenvolvidos por 751 estudantes do ensino fundamental, médio e técnico de todo o País. O processo de seleção dos finalistas envolveu mais de 72 mil estudantes de 27 unidades da federação, que submeteram seus projetos à Febrace, diretamente ou por meio de uma das 116 feiras afiliadas.

Os autores dos melhores projetos, em diversas categorias, ganharam troféus, medalhas, bolsas do CNPq e estágios, num total aproximado de 300 prêmios e oportunidades no Brasil e no exterior. Nove projetos também foram escolhidos para representar o Brasil na Feira Internacional de Ciências e Engenharia da Intel (Intel ISEF), que acontece de 12 a 17 de maio, em Phoenix, nos EUA.

Além dos prêmios, os estudantes foram prestigiados por diversas autoridades presentes na cerimônia de premiação da mostra. Entre eles, o pró-reitor de Pesquisa da USP, Sylvio Roberto Accioly Canuto, e a diretora da Escola Politécnica, Liedi Bernucci.

A lista completa dos premiados da Febrae 2019 pode ser conferida no site: https://febrace.org.br/finalistas-e-premiados/#.XJu4cphKjIU. Abaixo, o resumo do projeto de Boa Vista.

0104 Logomarca da Febrace
Bioprospecção do extrato etanólico da senna alata l. Como larvicida para o combater a reprodução das larvas dos mosquitos aedes aegypti e culex quinquefasciatus no município de boa vista - RR

O estudo da prospecção do extrato etanólico da Senna alata L. buscou avaliar a sua eficiência como biolarvicida no combate a reprodução das larvas dos mosquitos Aedes aegypti e Culex quinquefasciatus, coletadas com armadilhas artesanais nas dependências da escola. A pesquisa foi realizada em triplicata em época das chuvas e teve como pressuposto a utilização da técnica de bioensaio, com parâmetro CL50 em 60 minutos o tempo padrão. As larvas vivas foram submetidas em meio a três concentrações: forte 66,66g/L, moderada 50g/L e fraca 33,3g/L, e testes comparativos com solução de hipoclorito de sódio e álcool 96% PA.

Foram testadas 150 larvas vivas de Aedes aegypti e 150 larvas vivas de Culex quinquefasciatus. Para o Aedes aegypti, na concentração forte e moderada, foram significativos os extermínios de 100% das larvas na média de tempo de 54min, abaixo do tempo padrão, e, na concentração fraca, apresentou resultados adversos com mortandade de 50% de larvas, em consonância com o tempo padrão.

Para o Culex quinquefasciatus, na concentração forte, obteve-se uma média de 100% de indivíduo mortos no tempo de 36min. Portanto, a moderada atingiu a média de 100% de indivíduos mortos no tempo de 48min e 3s e, na concentração fraca, obteve-se uma média de 100% de indivíduos mortos no tempo de 56min e 6s.

Os resultados alcançados neste estudo mostraram que, nas dependências da escola, as espécies Aedes aegypti e Culex quinquefasciatus estão amplamente distribuídas, revelando assim, as possibilidades de infestação. Apontamos como contribuição o extrato etanólico da Senna alata L. para ser utilizado como biolarvicida, podendo contribuir para direcionar medidas de controle das larvas, e na utilização dos programas já estabelecidos na vigilância em saúde, principalmente diante do cenário de epidemias de dengue, zika, chikungunya e febre amarela no qual Roraima se encontra atualmente.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down