Quarta, 01 Abril 2020 04:40

Mulheres indígenas do Alto São Marcos ganham concurso nacional

Escrito por Ascom

O projeto de Roraima, Mimas (Movimento Indígena de Mulheres do Alto São Marcos), foi o grande vencedor do concurso nacional “Inovar para mudar: a autonomia das mulheres rurais e sua contribuição para reduzir a pobreza e a insegurança alimentar”, premiação realizada pela FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura).

A Seapa (Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento) auxiliou com a inscrição do projeto na competição. O concurso visa destacar e dar visibilidade às soluções empreendidas por mulheres e colocar em evidência as conquistas delas, além de mostrar os futuros desafios que elas enfrentam para reduzir a pobreza rural e a garantia da segurança alimentar e nutricional.

Segundo o engenheiro agrônomo, Samuel Carlos de Santana, engenheiro agrônomo da Seapa e responsável pela inscrição, o projeto ganhou pela atuação direta das mulheres indígenas em valorizar a cultura regional.

“Elas produzem caxiri, trabalham em conjunto na criação de gado que elas possuem na fazenda Kanon. Lá elas tiram leite, produzem queijo, pimenta de cheiro, pimenta ardosa, jerimum, macaxeira, banana, melancia, melão entre outras culturas. Enfim, são unidas e trabalham muito para produzir e garantir a subsistência delas e dos familiares”, destacou.

O prêmio são R$ 20 mil em materiais e serviços que serão utilizados pelas ganhadoras no trabalho que já exercem, além da visita e apoio do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), da FAO e demais entidades participantes do concurso, que é uma ação da Campanha Mulheres Rurais, Mulheres com Direitos e também uma parceria com a Moeda Seeds Bank.

O titular da Seapa, Emerson Baú, comemora, pois para ele, a pasta está fazendo o papel dela de ajudar e contribuir em projetos que valorizam o trabalho e o esforço dos produtores rurais. “As mulheres indígenas se destacam com o trabalho no campo, produzem várias culturas de subsistência, venda e garantem o alimento. Temos conhecimento de outras iniciativas no Estado, espero que todos sejam reconhecidos e valorizados”, afirmou.

Conforme a organização do evento, das 271 iniciativas inscritas, 89,1% contribuem para a questão da segurança alimentar. As mulheres da área rural são responsáveis por mais da metade da produção de alimentos, desempenham um papel importante na preservação da biodiversidade e garantem a soberania e segurança alimentar a partir da produção de alimentos saudáveis.

 Mulheres em destaque

O concurso “Inovar para mudar: a autonomia das mulheres rurais e sua contribuição para reduzir a pobreza e a insegurança alimentar”, valoriza a produção de mulheres, justamente pela dedicação, história e superação em trabalhar no campo, produzir e ainda carregar alguns estereótipos preconceituosos por conta do gênero.

Mesmo com tudo isso, as mulheres produzem alimentos saudáveis, geram riquezas, preservam o meio ambiente e contribuem de diferentes formas para que a sociedade seja cada vez mais justa.

Cerca de 50 mulheres indígenas das etnias wapixana, macuxi e tawrepang participam do Mimas que ocorre dentro da terra indígena São Marcos, no município de Pacaraima, norte do Estado, na fronteira com a Venezuela.

A organização da premiação ressalta ainda que 80% dos empreendimentos inscritos tem uma característica em comum; a base do saber é passada de geração a geração, na família e também dentro da comunidade, ou seja, além de gerar renda e alimentação, o saber é transferido, fomentando assim, uma autonomia às futuras gerações, já que essa é uma das principais preocupações em relação a autonomia das mulheres rurais.