Sexta, 08 Novembro 2019 12:42

As forças estranhas e a passividade Institucional

Escrito por Informe

Supostas mensagens trocadas ontem nas redes socias, deram conta que o movimento deflagrado pelos “garimpeiros” queria mesmo era tocar o terror, não lutavam por uma “causa justa”, mas por uma demonstração de força e poder, afrontando toda sociedade, justiça e órgãos de segurança. É certo que a questão relacionada ao garimpo em terra indígena tem que ser resolvida de uma vez por todas, mas a sociedade civil não pode ficar à mercê de grupos que preferem promover a baderna do que realmente tentar fazer alguma coisa.

Por enquanto voltamos à normalidade, mas até quando? Já não basta o fechamento da barreira do Jundiá! Agora teremos que conviver com mais essas “forças estranhas”  que ao se sentirem prejudicadas partem diretamente para o confronto e como sempre ocasionando danos a quem nada tem haver com o assunto, e, choca-nos a passividade de nossas autoridades ao resolverem questões relacionadas ao bem-estar da maioria. Luta pelos direitos sim, mas baderna não.