Marcello Bussacchi

Marcello Bussacchi

O comportamento de risco, principalmente a falta do uso de preservativo, tem causado o aumento do número de casos de infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) no Brasil. Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2018 foram registrados 158.051 casos de sífilis, sendo 62.599 em gestantes. A taxa de detecção da doença adquirida por 100 mil habitantes passou de 25, em 2014, para 75,8 em 2018.

As notificações de HIV chegaram a 43,9 mil novos casos em 2018, principalmente entre homens de 25 a 39 anos. Entre os quatro tipos de hepatites, foram 45.410 casos em 2018, sendo a tipo C a mais recorrente, com 12,6 casos para cada 100 mil habitantes.

Para prevenir o surgimento de novos casos de IST, o Ministério da Saúde lançou hoje (8), no Rio de Janeiro, a campanha para evitar o comportamento de risco, com foco nos jovens de 15 a 29 anos. O lema é "Usar camisinha é uma responsa de todos". As peças da campanha usam a linguagem da batalha de poesia (Poetry Slam) e serão veiculadas em TVs abertas e por assinatura, em rádio, na internet, no cinema e na mídia exterior.

Segundo o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, que participou do lançamento da campanha na Rocinha, comunidade na zona sul da cidade, as pesquisas mostram que o uso de preservativo tem diminuído. Segundo ele, é uma questão geracional.

“A geração dos pais desses adolescentes tinha uma adesão maior porque, na época, como havia muitos casos de pessoas famosas que morreram por causa do HIV, isso chamava a atenção. Aconteceu com o Henfil, Betinho, Cazuza, Fred Mercury, enfim, um número grande de personalidades, e aquilo causava impacto”.

De acordo com o ministro, com o avanço das pesquisas e da ciência, as pessoas começaram a viver com o HIV e trabalhar a carga viral, portanto diminuiu muito o número de mortes provocadas pela aids e, com isso, o uso da camisinha nas relações sexuais.

“Com isso, doenças sexualmente transmissíveis que a gente conseguia proteger em nome do HIV subiram. A sífilis, com 18 casos por hora, um caso a cada três minutos, fora a subnotificação que é muito grande, é um número assustador em qualquer lugar do mundo. Nós temos formas de gonorreia hoje resistente a todos os antibióticos, uma doença que causa a infertilidade. A hepatite C, a partir de 2014 a gente começou a fazer a testagem, então o número de casos foi lá para cima”.

Sobre a campanha lançada neste sábado, Mandetta destacou que o ministério dividiu as ações ao longo do ano, para que o tema esteja sempre em evidência. Mas destacou que o carnaval é uma data importante no calendário de prevenção das ISTs.

“O carnaval, como é uma festa em que o jovem está sempre muito inserido, é uma época em que a gente quer colocar na agenda a informação para esse público. Por isso que é tradicional no Brasil, uma semana antes do carnaval, que se faça uma campanha. Desde o ano passado, a gente faz o que se chama de balão, com uma campanha mais forte agora, e outras três ao longo do ano”.

O ministro lembrou que o programa Saúde na Escola levou informações sobre o tema a mais de 10 milhões de jovens no ano passado, e que os preservativos podem ser retirados gratuitamente nas unidades de saúde, bem como as vacinas para prevenir a hepatite A, hepatite B e o HPV, principal forma de evitar o câncer de colo de útero.

Também estão disponíveis nas unidades do Sistema Único de Saúde os testes rápidos para sífilis, hepatite e HIV/Aids.

Brasileiros repatriados

Sobre os brasileiros que estavam na cidade chinesa de Wuhan, de onde se propagou o coronavírus, o ministro confirmou que eles estão em voo. “Todos eles foram examinados antes de embarcar e estavam todos assintomáticos, todos aptos a fazer a viagem. Chegando [ao Brasil], eles vão ser novamente examinados e vão sendo monitorados. A gente espera que isso termine com um final feliz para todo mundo”.

A previsão é que os 34 brasileiros repatriados cheguem por volta das 3h deste domingo (9) na Base Aérea de Anápolis, em Goiás, onde ficarão em quarentena por 18 dias.

Os dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) que fazem o transporte decolaram na noite de ontem (7) e trazem, além dos brasileiros, quatro poloneses, um indiano e uma chinesa, que irão desembarcar em Varsóvia, na Polônia, um dos quatro locais de parada técnica para reabastecimento.

Eles vieram procedentes de Wuhan em aviões da Força Aérea Brasileira

Os quatro cidadãos poloneses e um chinês que pegaram carona em aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) já desembarcaram em Varsóvia, na Polônia. O avião parou na cidade para reabastecimento, antes de seguir para Las Palmas, na Ilha de Gran Canária, arquipélago da Espanha, informou a FAB.

Os dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) que trazem os brasileiros de Wuhan, na China, epicentro do surto mundial do coronavírus, têm previsão de pouso na Base Aérea de Anápolis, em Goiás, às 3h deste domingo (9). Antes disso, há ainda uma escala em Fortaleza.

A Base Aérea de Anápolis está pronta para receber os brasileiros. Os repatriados deverão permanecer em quarentena por 18 dias, no hotel de trânsito da Força Aérea, que foi especialmente preparado para essa operação.

Os brasileiros resgatados ficarão em apartamentos individuais ou, no caso dos que são pais ou mães de crianças menores, poderão ficar no mesmo quarto. O grupo inclui crianças de 2 e 3 anos e outras de 7 a 12 anos. As visitas estão proibidas.

No início da noite desta sexta-feira, as duas aeronaves decolaram de Wuhan, na China, com os 34 resgatados a bordo. Na quinta-feira (6), o presidente Jair Bolsonaro autorizou a carona para cidadãos de outros países amigos que a solicitassem.

Operação Regresso à Pátria Amada Brasil

Às 02:25h (horário de Brasília) as aeronaves VC-2 da FAB decolaram de Varsóvia, na Polônia com destino a Urumqi, na China.

Ver imagem no Twitter
330 pessoas estão falando sobre isso

O ataque ocorreu num centro comercial em Nakhon Ratchasima

Pelo menos 12 pessoas morreram e outras ficaram feridas num tiroteio ocorrido hoje (8) num centro comercial em Nakhon Ratchasima (Nordeste da Tailândia), informou a polícia local, acrescentando que o suposto atirador continuou dentro do recinto comercial.

A imprensa local, citada pelas agências internacionais, informou que o suspeito, identificado como um soldado tailandês, permanecia ao início da tarde (hora de Lisboa) dentro do centro comercial, onde várias pessoas continuavam fechadas e feitas reféns.

"O atirador utilizou uma metralhadora para atirar sobre vítimas inocentes", afirmou, em declaração à agência France Presse (AFP), um porta-voz da polícia tailandesa.

De acordo com um canal de notícias local (Thairath), o suspeito roubou um veículo da base militar onde estava destacado para se deslocar até o centro da cidade de Nakhon Ratchasima.

Antes de sair da base, o soldado abriu fogo contra um militar superior e outras pessoas.

Em seguida, dirigiu-se a um centro comercial e atirou indiscriminadamente contra várias pessoas, segundo a emissora.

Também foi registrada uma explosão nas imediações do centro comercial.

As autoridades estabeleceram um perímetro de segurança de dois quilómetros em volta do centro comercial.

A polícia tailandesa evitou comentar os possíveis motivos do ataque. As agências internacionais informam que o suspeito atirador tem publicado nas redes sociais várias mensagens de teor político e de vingança contra as forças militares.

Primeira pessoa a morrer por coronavírus fora do país foi um chinês

Um norte-americano morreu devido ao novo coronavírus em Wuhan, cidade chinesa onde começou o surto, anunciou hoje (8) a embaixada dos Estados Unidos (EUA), sobre a primeira morte confirmada de um estrangeiro na China.

"Podemos confirmar que um cidadão norte-americano, de 60 anos, declarado portador do coronavírus, morreu num hospital de Wuhan no dia 6 de fevereiro", disse um porta-voz da embaixada dos EUA em Pequim.

A China tinha elevado hoje para 722 mortos e mais de 34 mil infectados o número de vítimas do surto de pneumonia provocado pelo novo coronavírus (2019-nCoV), detectado em dezembro passado em Wuhan, capital da província de Hubei (centro), colocada sob quarentena.

Nas últimas 24 horas, foram registradas 86 mortes e 3.399 novos casos.

A primeira pessoa a morrer por causa do novo coronavírus fora do país foi um cidadão chinês nas Filipinas.

Além do território continental da China e das regiões chinesas de Macau e Hong Kong, há outros casos de infecção confirmados em mais de 20 países. Na Europa, o número de casos confirmados chegou, nessa quinta-feira (6) a 31, com novas infecções detectadas no Reino Unido, na Alemanha e Itália.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou, em 30 de janeiro, situação de emergência de saúde pública de âmbito internacional, o que pressupõe a adoção de medidas de prevenção e coordenação em escala mundial.

Os dois testemunharam contra ele no processo de impeachment.

O presidente dos Estados Unidos (EUA), Donald Trump, despediu dois integrantes de sua equipe que testemunharam contra ele no processo de impeachment - o embaixador norte-americano na União Europeia, Gordon Sondland, e o assessor do Conselho de Segurança Nacional, Alexander Vindman, primeira vítima do processo de destituição.

Vindman foi a testemunha-chave em todo o caso.

Ele teria escutado o telefonema em que Trump pediu ao presidente ucraniano, Volodymyr Zelenski, que investigasse os negócios da família do democrata Joe Biden.

Donald Trump foi acusado pelos democratas de ter abusado dos privilégios do cargo para pressionar Zelenskiy a investigar a família de Biden, seu maior rival entre os candidatos democratas às eleições presidenciais.

A cena é comum, principalmente em estradas: para esticar as pernas e se sentir mais confortável, o passageiro coloca os pés no painel do veículo, com o banco reclinado, enquanto viaja ao lado do condutor. A alternativa em busca de conforto, porém, expõe a pessoa ao risco de lesões gravíssimas, caso aconteça um acidente.

As sérias consequências foram mostradas em um exame de raio-x, divulgado pela polícia do País de Gales, na Europa, no fim de janeiro. A paciente, que estava com os pés no painel do carro, teve o fêmur e o quadril do lado esquerdo quebrados, enquanto no lado direito do corpo o osso desencaixou da articulação.

Em 2015, uma mulher norte-americana ficou permanentemente incapacitada após uma leve colisão em que estava com os pés para cima. Ela quebrou o fêmur e o tornozelo em quatro partes, além de também ter o nariz quebrado após o airbag jogar suas pernas contra seu rosto.

O presidente da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé (ABTPé), o médico ortopedista José Antônio Veiga Sanhudo, ressalta que passageiros que colocam o joelho ou o pé apoiado no painel, correm alto risco de sofrer lesões graves em caso de acidente, mesmo em baixa velocidade.

“Acontece que, nessas posições, o trauma direto nas articulações é muito mais frequente e mais grave. Com o joelho apoiado no painel do veículo, o trauma provocado por um eventual acidente ocorre diretamente na articulação, provocando fraturas ou lesões irreparáveis na cartilagem articular”.

Apoiar o pé sobre o painel do carro coloca o quadril em uma posição de flexão e, ao sofrer o impacto da batida, o osso da coxa pode acabar desencaixando da articulação representando uma lesão muito grave. “Para piorar a situação, o nervo ciático transita exatamente nesse local e, frequentemente, é lesado seriamente, comprometendo os movimentos da perna, muitas vezes de forma definitiva”, diz o especialista.

Ele explica que, nessa posição, o airbag não será capaz de desempenhar a sua função de proteger o passageiro, como seria possível se ele estivesse sentado corretamente e usando o cinto de segurança.

“Mas para estes dispositivos funcionarem corretamente e protegerem o passageiro, ele tem que estar sentado adequadamente, quando o passageiro adquire essas posições de ficar deitado, com a perna para cima, o próprio dispositivo pode provocar a lesão pois não consegue proteger o indivíduo do trauma. A posição do indivíduo no assento do veículo é importante para que haja uma proteção eficaz” recomenda.

A viagem no banco traseiro também deve respeitar a posição correta, segundo o ortopedista.  “A indicação é a mesma, ficar sentado adequadamente, porque na posição deitada o próprio cinto de segurança não consegue proteger o passageiro, então a chance de ter uma lesão muito mais grave ou ser jogado para frente do veículo é muito maior, esses dispositivos são muito efetivos para prevenir lesão, mas a gente precisa fazer a nossa parte”, alerta.

Os dois aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) que trazem os brasileiros de Wuhan, na China, epicentro do surto mundial do coronavírus, e cidadãos de outros países têm previsão de pouso na Base Aérea de Anápolis, em Goiás, às 3h deste domingo (9). A informação foi divulgada há pouco pelo Ministério da Defesa no Twitter.

| As duas aeronaves da @portalfab destacadas para repatriar os brasileiros que estavam em Wuhan, China, têm previsão inicial de pouso na Ala 2 (Base Aérea de Anápolis) para 03h (três horas da manhã) deste domingo (09/02). ?? http://www.defesa.gov.br/noticias/65717-aviso-de-pauta-chegada-dos-brasileiros-repatriados-a-ala-2-base-aerea-de-anapolis 

Ver imagem no Twitter
29 pessoas estão falando sobre isso

A Base Aérea de Anápolis está pronta para receber os brasileiros. Os repatriados deverão permanecer em quarentena por 18 dias, no hotel de trânsito da Força Aérea, que foi especialmente preparado para essa operação.

No início da noite desta sexta-feira, as duas aeronaves decolaram de Wuhan, na China, com os 34 resgatados a bordo. Há quatro escalas técnicas de reabastecimento: em Ürumqi, na China, Varsóvia, na Polônia, Las Palmas, na Espanha, e já no Brasil, em Fortaleza. Em Varsóvia, devem desembarcar quatro cidadãos poloneses, um indiano e uma chinesa. Na quinta-feira (6), o presidente Jair Bolsonaro autorizou a carona para cidadãos de outros países amigos que a solicitassem.

Os cidadãos resgatados ficarão em apartamentos individuais ou, no caso dos que são pais ou mães de crianças menores, poderão ficar no mesmo quarto. O grupo inclui crianças de 2 e 3 anos e outras de 7 a 12 anos. As visitas estão proibidas.

Mais um avião fretado pelos Estados Unidos trouxe brasileiros deportados de volta ao país. O voo chegou ao Aeroporto de Confins, em Belo Horizonte, nesta sexta-feira (7) à noite. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, foram deportados 130 brasileiros.

No ano passado, o governo do presidente Donald Trump endureceu a legislação contra imigrantes ilegais no país. Desde outubro de 2018, esse é o terceiro voo fretado que traz brasileiros de volta ao país. Naquele mês, foram trazidas 70 pessoas e em janeiro deste ano, mais 50.

Em janeiro, após a segunda leva de deportações, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que não vai interferir nas leis norte-americanas. “Você acha que eu vou pedir para ele descumprir a lei dele? Tenha santa paciência. A lei americana diz isso. É só você não ir para os Estados Unidos de forma ilegal”.

Prazo final de convocação e matrícula segue cronograma da instituição

A lista de espera do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2020 para a convocação dos aprovados pelas instituições de ensino sairá na próxima segunda-feira (10). A divulgação estava prevista para ontem (7). O prazo final de convocação e realização da matrícula segue cronograma próprio de cada instituição.

A lista poderá ser consultada no site do Sisu .

A adesão à lista de espera do Sisu começou em 29 de janeiro e ficou aberta até 4 de fevereiro. Os candidatos que se inscreveram no sistema de seleção, mas que não foram selecionados em nenhuma das opções de curso, tiveram a chance de participar da lista de espera.

Sisu 

O Sisu é uma das formas de ingresso à educação superior com a nota do Enem. Por meio dele, as instituições públicas de ensino superior oferecem vagas a participantes do exame. Quem não conseguir uma vaga pelo Sisu, pode tentar pelos vestibulares tradicionais.

Alerj investiga incêndio que matou 10 jovens em centro de treinamento

O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, poderá ser conduzido de forma coercitiva à próxima sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o incêndio no Ninho do Urubu, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). No incêndio, ocorrido há um ano, morreram 10 adolescentes das categorias de base do clube e três ficaram feridos.

Landim faltou à sessão desta sexta-feira (7), para a qual estava convocado, e o presidente da CPI, deputado Alexandre Knoploch (PSL), determinou que, se ele ou o vice-presidente jurídico do clube, Rodrigo Dunshee, não comparecerem, Landim será trazido sob força policial.

“Se eles não estiverem aqui no primeiro horário, às 11h da próxima sexta-feira [14], aí uma viatura da Polícia Civil irá buscá-los para poder prestar aqui os esclarecimentos devidos. Estamos respeitando entendimento do STF [Supremo Tribunal Federal], de que só poderia haver condução coercitiva em uma segunda chamada. Tivemos um entendimento com o Flamengo [de] que eles virão espontaneamente – aqui não é um tribunal de inquisição”, disse Knoploch.

A deputada Renata Souza (PSOL), integrante da CPI e presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alerj, mostrou-se decepcionada com a atitude do Flamengo, por não enviar seu presidente à comissão. “O Flamengo está sendo negligente nesta questão. Recebi com muita preocupação a ausência dos dirigentes na CPI, diante da necessidade de um debate público. Muitas das famílias não moram no Rio de Janeiro. É uma oportunidade para o clube dar um respaldo minimamente transparente às suas ações com relação à reparação a essas famílias”, disse Renata.

O ex-presidente do Flamengo Eduardo Bandeira de Mello compareceu à audiência e, na saída, falou rapidamente com os jornalistas. Ele foi indiciado em inquérito da Polícia Civil como um dos responsáveis pela tragédia, que deixou 10 adolescentes mortos e três feridos, no incêndio que consumiu o alojamento, dentro de um contêiner, onde eles dormiam, no dia 8 de janeiro de 2019. Bandeira negou que tenha responsabilidade sobre as mortes: “De jeito nenhum. Eu fiquei seis anos lá. Quando eu saí, estava todo mundo vivo e com saúde.”

Parentes

A advogada da família do atleta Pablo Henrique, Mariju Maciel, afirmou que o Flamengo não estava sendo justo na questão. “Uma vez o Flamengo fez contato comigo para botar o teto [de indenização] dele, não estabelecendo uma negociação, dizendo que o teto era aquele e que, se a família aceitasse, sim, se não, não estavam abertas negociações. Isso foi uns seis meses atrás, o único contato. E, com a família que eu represento nenhum contato, nem na entrega do caixão. Um total desrespeito e uma total falta de carinho”, disse a advogada.

O pai de Pablo, Wedson Cândido, queixou-se da atitude do clube, que praticamente não demonstrou interesse em manter contato com a família ao longo de um ano.

“É um sentimento de muita frustração, de abandono. O Flamengo nos abandonou. Eu confiei meu filho ao Flamengo, e ele devolveu o meu filho num caixão. O sonho do meu filho era jogar no Maracanã lotado. Eles interromperam 10 sonhos [de jovens] que pensavam em dar um futuro grande para a família”, lamentou Wedson, que estará novamente na CPI, na próxima sexta-feira, quando serão ouvidos outros dirigentes do clube.

Clube

Em vídeo publicado no último sábado (2) em suas redes sociais, o Flamengo classifica a tragédia como a maior da história do clube e afirma reconhecer sua responsabilidade, independentemente de culpa.

"Para nós, do Flamengo, nos aparenta ter sido um lamentável acidente, mas temos responsabilidade como guardiões dos adolescentes", disse o vice-presidente geral e jurídico do Flamengo, Rodrigo Dunshee de Abranches. Além do ex-presidente Bandeira de Mello, também esteve presente na CPI o diretor executivo (CEO) do clube, Reinaldo Belloti.