Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Encontro reuniu autoridades da segurança pública e discutiu diversos assuntos relacionados ao tema

O Gabinete de Gestão Integrada – GGI, órgão integrado à Secretaria de estado da Segurança Pública – SESP retornou às suas atividades, segunda-feira (29/1), reunindo autoridades federais, estaduais e municipais. O tema desta primeira reunião de 2018 foi os efeitos causados pela imigração venezuelana.

Durante cerca de 3 horas as discussões apontaram vários caminhos a serem seguidos para que, de uma maneira integrada, as forças de segurança que compõe o GGI possam gerenciar a crise migratória que está causando muita preocupação pelo seu crescente volume de refugiados oriundos do país vizinho.

Ficou acordado, como um dos pontos principais para gerir a crise migratória em Roraima, a formulação de uma proposta que culmine na retomada do Gabinete de Gestão Migratória, mas desta vez gerido pelo Governo Federal com apoio de todas as demais esferas.

A partir do gabinete, a equipe do GGI espera discutir e criar uma ferramenta para consolidar os dados estatísticos relacionados à entrada e saída de venezuelanos no estado.

“Nós temos hoje dificuldade de levantar dados que apontem a realidade dos venezuelanos em Roraima. Todas as instituições têm dados internos, mas que divergem completamente. Nosso intuito é criar um mecanismo onde possamos fazer um levantamento minucioso e compartilhar os dados entre si”, detalhou a secretária de Segurança Pública, Giuliana Castro.

Será elaborado ainda um projeto de gestão migratória voltado para as áreas de segurança, saúde e assistência social. O objetivo é colaborar com o Governo Federal para alocação de recursos que possam sanar a superlotação dos hospitais em Roraima e prover o mínimo de assistência aos migrantes que estão nas ruas.

Outra proposta levantada foi a criação de possíveis pontos de controle no município fronteiriço de Pacaraima, para registro de entrada e saída de imigrantes.

“Esses postos terão representantes de todos os órgãos de segurança federal, estadual e municipal, pois entendemos que, devido à crise na Venezuela, as pessoas muitas vezes chegam ao Brasil com dúvidas de como é ingressar no País, sem saber a quem deve procurar, entre tantas outras coisas”, disse Giuliana Castro.

Segundo ela, o trabalho em conjunto vai identificar as necessidades dessas pessoas e dar prosseguimento ao processo de socialização delas dentro do Brasil e até mesmo para aquelas que pretendem seguir para outros países. Um plano formulado em parceria com o Ministério da Saúde está em execução, a fim de eliminar o risco de doenças já erradicadas no Brasil.

Para instalar estes pontos, os órgãos de segurança pretendem pleitear junto ao Ministério da Justiça o aumento do efetivo da Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal, para reforçar a segurança na fronteira e nos postos de controle e, junto ao Ministério da Defesa o reforço do Exército.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down