Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

No retorno dos trabalhos legislativos, nesta quarta-feira (1), o deputado George Melo (DC) usou a tribuna da Assembleia Legislativa de Roraima para chamar a atenção das autoridades sobre a imigração venezuelana, que está tomando proporções que o parlamentar classifica como “perigosíssimas” para a população, principalmente para quem depende exclusivamente da segurança pública.

Ele defende que regras mais rígidas sejam adotadas pelos governos federal e estadual com urgência, a fim de frear a entrada de imigrantes inidôneos no país. Ele frisou que muitos atos ilegais praticados pelos imigrantes da Venezuela não estão vindo à tona e que não entende o que motiva as autoridades a não divulgarem essas ações.

Melo citou como exemplo a agressão verbal e física sofrida por profissionais de saúde e militares do Exército que cuidam dos abrigos, além da prática de andar portando armas brancas livremente nas ruas da cidade.

No caso da agressão ao servidor público, existe lei específica que classifica essa conduta como crime. Hoje, alertou, mais uma vez uma servidora de unidade de saúde foi agredida enquanto exercia suas funções profissionais.

“Outro dia um general veio de Brasília e ao visitar o abrigo no horário do almoço, foi agredido por um venezuelano que jogou o marmitex nos pés dele alegando não ser bicho para comer feijão. Se não bastasse, os soldados que fazem a segurança dos abrigos estão apanhados constantemente e, não sei por que isso tem sido abafado”, denunciou.

Para Melo, o Poder Executivo estadual está sendo omisso. “Senhora governadora, se o governo federal não faz, temos a obrigação de não permitir que novos delinquentes venezuelanos atravessem a nossa fronteira. Temos que exigir, no mínimo, uma declaração de antecedentes criminais dessas pessoas. Tem bons venezuelanos, mas há uma quantidade absurda de maus venezuelanos atravessando a fronteira”, sugeriu.

RETORNO DOS TRABALHOS - Com o fim do recesso estão prontos para votação, projetos de lei voltados à Educação, Economia e Saúde. Um exemplo é a matéria que torna obrigatória a disponibilização de assentos adaptados a pessoas obesas e auxiliares para pessoas com deficiência nas escolas de Roraima.

Também há propostas para isenção do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) para pessoas com doenças graves e a instituição de um dia de atenção aos pacientes com lúpus e obrigatoriedade de ecocardiograma pediátrico para crianças com síndrome de down.

Pelo Regimento Interno, o semestre legislativo segue até o dia 22 de dezembro, mas como essa data será um sábado, o prazo deverá ser transferido para o dia útil seguinte.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down