jrh log
ANO XIV - 1º jornal 100% online de Roraima desde 2014


Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

Imigração em massa de indígenas da etnia Pemón para comunidades brasileiras tem preocupado lideranças, que querem pedir ajuda diretamente ao presidente

A imigração desordenada de índios venezuelanos da etnia Pemón para o Brasil fez lideranças indígenas da região de São Marcos, no município de Pacaraima, fronteira com a Venezuela, recorrerem à Comissão de Relações Fronteiriças da Assembleia Legislativa de Roraima (ALE/RR). Em reunião realizada na tarde desta segunda-feira (18), ficou acertado que os parlamentares intermediarão uma audiência pública em Brasília para buscar uma solução imediata.

A presidente da comissão, Ione Pedroso (SD), afirmou que as lideranças trouxeram uma nova denúncia, agora sobre a imigração de índios para as comunidades indígenas de Roraima, mas ressaltou que o Legislativo já fez tudo o que lhe compete. “Vamos tentar uma audiência pública com o presidente da República, Jair Bolsonaro [PSL], com os deputados federais, a Funai [Fundação Nacional do Índio] e com a ONU [Organização das Nações Unidas], para que possamos trazer uma resposta para essa crise no Estado.”

Na ocasião o deputado Jeferson Alves (PTB) comentou sobre a possibilidade da criação de um Fundo Internacional de ajuda humanitária para auxiliar o Estado. Ele afirmou que os parlamentares estão analisando se a medida é viável. A ideia inicial é que ele seja gerido pelo Exército, para que vários países possam ajudar a Venezuela e Roraima. “A imigração venezuelana é um problema humanitário do mundo. Roraima não suporta mais. Estamos à mercê do Governo Federal, que até agora não mostrou se realmente vai ajudar o Estado a enfrentar essa crise”, justificou.

O prefeito de Gran Sabana, Emílio González, ressaltou que a realidade da crise está mudando com imigração da etnia Pemón, que no Brasilé a etnia Taurepang. “São aproximadamente mil indígenas que saíram da Venezuela por descaminhos, fugindo da guerra, e estão alojadas nas comunidades mais próximas. Não temos como receber esses indígenas sem a ajuda do Governo Federal”, disse.

Fronteira está vulnerável, afirma indígena Ta’rau Pau
Aldino Alves, tuxaua de Ta’rau Pau, comunidade a aproximadamente 1,2 quilômetros da fronteira Brasil/Venezuela, contou que os índios venezuelanos chegaram em massa na comunidade no dia 23 de fevereiro.

Além da infraestrutura precária para receber os indígenas, a maior preocupação dele é que, segundo conta, integrantes do grupo paramilitar Tupamaro – aliado ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro – tomaram conta do município da Gran Sabana. O temor é que eles adentrem o território brasileiro no período da noite junto com os indígenas.

“O medo hoje é que pior possa acontecer porque moramos próximo da fronteira, principalmente à noite, dos militares invadirem junto com os refugiados ou até atacarem os próprios indígenas que estão fugindo para o Brasil”, afirmou o tuxaua.

Segundo ele, os guardas indígenas territoriais ficam 24 horas vigiando a fronteira. “Temos as polícias Militar, Federal e o próprio Exército, mas como a demanda é grande e não tem condições de dar segurança 24 horas, a maior parte desta segurança é feita pelos índios brasileiros. A cada seis horas o Exército faz o patrulhamento”, explicou.

Com a chegada do inverno o tuxaua afirma que a comunidade pretende construir seis barracões para abrigar esses indígenas. “Estamos com 836 indígenas, bastante criança e idosos hipertensos. Estamos tendo dificuldade com a logística e a alimentação, o que tem afetado a nossa comunidade. Com o inverno chegando, a preocupação é como acomodar esses refugiados. Quem puder, ajude-nos levando lona ou telha para cobrir o barracão e acolher os nossos parentes”, pediu.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down