jrh log
ANO XIV - 1º jornal 100% online de Roraima desde 2014


Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

O deputado federal Haroldo Cathedral (PSD) discutiu com o comando da Operação Acolhida um plano para interiorizar imigrantes venezuelanos para todas as regiões do Brasil, com o apoio de igrejas evangélicas. A ação foi apresentada ao general Eduardo Pazuello, responsável pelo gerenciamento dos abrigos em Roraima e conta com a participação do empresário Carlos Wizard, que já desenvolve uma ação voluntária nesse sentido.

O plano é ousado, mas consistente do ponto de vista da acolhida aos venezuelanos, garante o deputado. Segundo Haroldo existem em funcionamento no Brasil cerca de 180 mil instituições evangélicas, deste total, 80 mil tem cadastro de pessoa jurídica regularizado e a ideia é que cada uma dessas instituições receba pelo menos 2 famílias de imigrantes.

Haroldo ressaltou a dificuldade no enfrentamento da crise migratória em Roraima e falou sobre a necessidade de montar uma estratégia de interiorização o mais rápido possível. “Queremos ampliar parcerias e o engajamento de vários segmentos da sociedade civil e de grupos religiosos em torno da intensificação deste processo. O número de imigrantes que já foram interiorizados significa um impacto inexpressivo perto da quantidade dos que entram diariamente no estado de Roraima, em busca de refúgio”, afirmou.

A proposta apresentada ao general Pazuello é construir um grande grupo de trabalho composto por entidades religiosas, lideranças empresariais, ministérios e órgãos do Governo federal para ampliar as ações realizadas na Operação Acolhida.

Para Haroldo Cathedral é preciso compartilhar a responsabilidade com outros estados da federação e envolver a sociedade civil. “Estamos buscando alternativas para minimizar os impactos sociais em Roraima e também que garantam o acolhimento dessas pessoas em situação de miséria extrema”, salientou o deputado.

A preocupação do deputado Haroldo e do empresário Carlos Wizard, assim como do general Pazuello, é com a ‘bolha social’ que pode explodir sobre Boa Vista se não houver pressa na retirada dos imigrantes, cujo ingresso em território roraimense está na casa dos 380 por dia atualmente. “Se não interiorizarmos pelo menos 1.800 pessoas por mês, Boa Vista enfrentará problemas sociais seríssimos em breve”, alerta o general Pazuello.

A operação que está sendo construída, que tem engajamento também do pastor e deputado federal amazonense Silas Câmara, será fundada no tripé Ministério da Defesa, Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos e Igrejas Evangélicas. Todo o planejamento será feito a partir do cadastramento dos venezuelanos em Boa Vista que serão distribuídos para as regiões do Brasil através do transporte aéreo, pelas empresas que operam em Boa Vista e por aeronaves da FAB.

Segundo o deputado Haroldo o plano já é do conhecimento da ministra Damares Alves que aprovou a ideia e em breve virá a Boa Visa para finalizar a ação junto ao comando da Operação Acolhida. Atualmente, segundo dados do general Pazuello, existem 6.700 venezuelanos alojados nos diversos abrigos de Boa Vista e mais 2.800 vivendo nas ruas e em prédios públicos abandonados na cidade, o que ele chama de “desassistidos”.

A análise do general Pazuello é que essa operação que está sendo construída pelo deputado Haroldo e pelo empresário Carlos Wizard pode estabelecer tranquilidade no processo migratório, porque apesar das tensões na Venezuela que fazem aumentar o ingresso de pessoas no Brasil, o importante é esvaziar os abrigos, retirar as pessoas das ruas e controlar o fluxo.

“Ou Seja, a migração não cessará tão cedo, enquanto durar a crise, sob o domínio do presidente Nicolás Maduro. Mas conseguiremos dar tranquilidade social a Boa Vista e sua população se conseguir tirar essas pessoas daqui. Na sequência do esvaziamento da cidade, controlar o fluxo de forma mais ordenada, será mais fácil”, disse Pazzuello.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down