jrh log
ANO XIV - 1º jornal 100% online de Roraima desde 2014


Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

“Esperamos que o poder público Federal assuma de fato o protagonismo no enfrentamento deste intenso fluxo migratório.” 

O deputado Haroldo Cathedral (PSD-RR) defendeu da tribuna da Câmara, ontem, terça-feira (25), a prorrogação das forças de segurança no Estado de Roraima. O deputado falou sobre os efeitos da crise migratória de venezuelanos em Roraima e a sobrecarga nas áreas da segurança, saúde e educação.

“Estamos sofrendo impactos sociais profundos com o aumento da criminalidade, da comercialização de entorpecentes, superlotação de hospitais e da rede pública de educação. Com a situação descontrolada, há crescente insatisfação da população com a incapacidade do poder público em administrar este triste cenário.”

Haroldo Cathedral destacou sua preocupação com crescimento dos índices de violência. O parlamentar mencionou dados divulgados pelo relatório estatístico do Centro Integrado e Operações Policiais da Secretaria Estadual da Segurança Pública entre os anos de 2017 e 2018, em que foram registradas 5.939 ocorrências envolvendo estrangeiros, sendo que 95% desses casos foram praticados por venezuelanos. O relatório também revelou que dos 2,7 mil detentos em Roraima, 300 são venezuelanos.

Ao finalizar, o deputado fez um apelo ao ministro da Justiça, Sérgio Moro, para que a Força Nacional e Força-Tarefa de Intervenção Penitenciária permaneçam em Roraima. Destacou que a migração venezuelana tem obviamente potencializado em muito a violência em nosso estado.

“Não temos estrutura para abarcar toda essa demanda que chega diariamente em nossas cidades. Então, quero reforçar o apelo feito pelo governador do Estado de Roraima ao ministro Sérgio Moro, para prorrogação da presença da Força Nacional e da Força Tarefa de Intervenção Penitenciária. Em janeiro de 2017, mais de 30 presos foram brutalmente assassinados em disputa entre facções criminosas. Sabe-se que três facções atuam dentro e fora do presídio, promovendo assaltos, roubos, assassinatos. O fato é que, depois que essas duas unidades de segurança passaram a atuar em Roraima, diminuíram as fugas, rebeliões e mortes no presídio”, salientou.

De acordo com o deputado Haroldo, a insegurança reforça ainda mais o sentimento de exclusão dos cidadãos roraimenses das políticas públicas do Estado. “O direito à saúde, à educação, à segurança e ao bem-estar deve ser assegurado a todos, sem distinção. Como se trata de um problema que ultrapassa a esfera de atuação estadual, esperamos que o poder público Federal assuma de fato o protagonismo no enfrentamento deste intenso fluxo migratório”, finalizou o parlamentar.

0
0
0
s2smodern

logo JRH down