jrh log
ANO XIV - 1º jornal 100% online de Roraima desde 2014


Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 

O Ministério da Cidadania, cujo titular é o médico e Osmar Gasparini Terra, enviou ofício ao senador Mecias de Jesus (PRB-RR), respondendo de forma detalhada as questões levantadas em documento que o parlamentar remeteu àquela Pasta da administração federal.

No ofício-resposta estão assentadas todas as providências que vêm sendo tomadas com relação à crise de imigração de venezuelanos, citando em números o volume de recursos financeiros que vêm sendo investidos para resolver a questão.

O problema é que a vasta quantidade de pessoas que chega ao Brasil tem sido diária e permanente e, nas palavras do senador Mecias, “é como se o contingente populacional da Venezuela estivesse se transferindo, pouco a pouco, para o nosso solo pátrio”. É crise somente possível de avaliar, aduziu, “na convivência diária do problema”.

O ministro Osmar Terra citou “três grandes eixos” na tentativa de “desafogar estruturas sobrecarregadas”: ordenamento da fronteira, acolhimento de imigrantes e interiorização. O ordenamento da fronteira é “coordenado pela Política Federal”. O Ministério mantém “equipe de referência (psicólogos e assistentes sociais), para apoio socioassistencial aos imigrantes”.

O acolhimento consiste na “coordenação conjunta com o Ministério da Cidadania, Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e Ministério da Defesa”. Já a Interiorização, deslocando imigrantes para outros estados brasileiros, “é realizada pelo governo federal”.

Gastos contabilizados - O ministro relacionou, ainda, cerca de 8 providências que tem como objetivo “prestar apoio ao Governo de Roraima e promover ações que permitam a transferência dos imigrantes para outras unidades da Federação”.

Foi firmado acordo de cooperação com o ACNUR, para a “execução de estratégias de parceria” na organização de acolhimento em abrigos, centros transitórios “e centros de documentação e triagem”.

De acordo com o Ministério, em 2017 foram repassados R$ 480 mil e, em 2018, R$ 1 mi e 890 mil ao Governo de Roraima, além de R$ 600 mil para a Prefeitura de Pacaraima. Existe um processo pendente sendo analisado, em que é solicitado o repasse de R$ 600 mil que seriam destinados ao acolhimento de 250 pessoas em Pacaraima.

Os chamados “governos de esquerda” promoveram grandes crises de refugiados que fogem dos conflitos e vêm abalando as estruturas de vários países mais bem organizados. A América Central, por exemplo, tem despejado dezenas de milhares de refugiados na fronteira do México com os EUA, produzindo imagens de desespero dos que buscam socorro e abrigo.

Com relação ao Brasil, o senador Mecias de Jesus tem procurado não apenas alertar, mas conduzir autoridades para que presenciem in loco a gravidade da situação vivida por Roraima. Ele entende que somente com a ida dos principais representantes do Governo Federal ao Estado é que pode ser devidamente aquilatada a intensidade dos fatos.

O Governo Federal entende, e com razão, que os gastos ora realizados com os imigrantes venezuelanos “são consequência de prática predatória” que teve como alvo o desmonte do Estado Nacional e a cumplicidade criminosa entre países.

Os antecessores viviam na prática corriqueira de assalto aos cofres públicos, locupletando-se nos recursos financeiros e no Tesouro Nacional. Todos se intitulam “representantes de regimes de esquerda”. (Por Marcio Acyoli)

0
0
0
s2smodern

logo JRH down